WORLD OF DARKNESS DA EDITORA WHITE WOLF GANHARÁ SÉRIE NOS STREAMINGS

Back to Blog
World of Darkness nos streamings?

WORLD OF DARKNESS DA EDITORA WHITE WOLF GANHARÁ SÉRIE NOS STREAMINGS

WORLD OF DARKNESS DA EDITORA WHITE WOLF GANHARÁ SÉRIE NOS STREAMINGS e olha com toda certeza deve vir antes da aguardado The Vampire Chronicles de Anne Rice (aliás falamos desse mistério aqui). Pois é o universo ficcional de vampiros, lobisomens e seres fantásticos da cultura pop vem ai como seriado. E será adaptação oficial (sem piadinhas com a franquia UnderWorld, Anjos da Noite ou o antediluviano Kindred The Embraced) a notícia é quente! E quem está por trás da produção e negociação é o pessoal das séries The Witcher, Shadow and Bone, The Punisher, Hivemind e The Expanse!

Compartilhamos agora com vocês mais um conteúdo privilegiado da #RedeVamp gravado da nossa live diária #AcessoRedeVamp que vai ao ar de Segunda a Sexta na twitch.tv/redevamp sempre as 19h.

Segundo nossos parceiros do Variety: Um mundo de vampiros, lobisomens e bruxos está a caminho de telas grandes e pequenas. Casados, os produtores e roteiristas Eric Heisserer (“Shadow and Bone”) e Christine Boylan (“The Punisher”) e a produtora Hivemind (” The Witcher “, “The Expanse”) fizeram parceria com a editora de jogos Paradox Interactive para desenvolver o Mundo das Trevas universo da história para cinema e televisão.

Lançado em 1991 com o RPG de mesa “Vampire: The Masquerade”, o universo World of Darkness inclui outras propriedades como “Werewolf: The Apocalypse”, “Mage: The Ascension”, “Orpheus” e “Hunter: The Reckoning,” e se expandiu para videogames, histórias em quadrinhos, romances, realidade virtual e jogos de cartas e de tabuleiro. Desde o início, a franquia se destacou no mundo da ficção científica / fantasia, colocando os jogadores dentro dos sapatos – ou garras, ou asas – de um vasto círculo de monstros interconectados que vivem entre a humanidade e, em seguida, forçando-os a tomar decisões morais complicadas sobre como saciar os desejos mais sombrios de seus personagens.

o artigo continua depois da publicidade

De forma crítica, os títulos do Mundo das Trevas construíram seu público ao abraçar uma ampla gama de representações de raça, gênero, credo e sexualidade. “O universo da história do Mundo das Trevas é deliberada e assumidamente inclusivo e diverso”, disse Boylan em um comunicado. “Sempre fez questão de incluir personagens de gênero igual, protagonistas e antagonistas de todas as raças e representação de todos os credos – trazendo um público feminino e diversificado para os jogos como nada antes. Seus jogos e fandom são um lugar onde mulheres, POC e a comunidade LGBTQI se sentem bem-vindos e temos muito orgulho de dar vida a essas histórias. ”

“O legado dessas histórias está muito à frente de seu tempo, convidando questões e perspectivas de outros jogos ignorados”, acrescentou Heisserer. “Este parece ser o próximo passo para o gênero.” Não há acordos de distribuição ainda definidos, então a equipe do Mundo das Trevas pode manter suas opções em aberto, e a equipe espera anunciar o desenvolvimento de títulos específicos no próximo ano.

“Eric e Christine estão entre os criadores mais extraordinários que trabalham hoje”, disse o presidente e cofundador da Hivemind, Jason Brown. “Eles também são jogadores que jogam no WOD desde o início. É uma oportunidade rara quando a conexão entre o contador de histórias e a história é tão profunda, e essa é a alquimia que levou a muitas de nossas franquias favoritas e culturalmente mais ressonantes. ”

o artigo continua depois da publicidade

Heisserer é atualmente o showrunner e produtor executivo de “Shadow and Bone” para a Netflix, e foi indicado ao Oscar por seu roteiro do longa-metragem de ficção científica de 2016, “Arrival”. Ele também escreveu “Bird Box”, “Lights Out” e sua estreia na direção, “Hours”. Boylan escreveu em várias séries de TV, incluindo “The Punisher”, “Cloak and Dagger”, “Constantine”, “Once Upon a Time”, “Castle” e “Leverage”. Ela também escreveu histórias em quadrinhos para a DC e a Marvel, e é cofundadora da Bespoke Plays, uma série de leitura ao vivo de novas peças em Los Angeles e Nova York.

WORLD OF DARKNESS X COMUNIDADE VAMP INTERNACIONAL

Vale sempre pontuar que o universo ficcional de Vampiro A Máscara é o que é um universo ficcional iniciado pelo cientista político Mark Reih Hagen lá no comecinho dos anos noventa. Ele criou um mix interessantíssimo de seu campo de estudos alinhavado com a cultura pop e a febre midiática de Dracula de Bran Stoker (Dirigido por Francis Ford Coppola) e o hype de Entrevista com o Vampiro (adaptação do romance de Anne Rice) e tudo que encontrou nos quadrinhos e nos seriados da época. Aliás, em 2013 a editora responsável pelo World of Darkness no Brasil, nos concedeu uma entrevista bastante ampla e interessante sobre este universo ficcional – assista aqui.

É bem verdade que Hagen e sua equipe tomaram a liberdade de pegarem algumas coisinhas aqui e acolá da Comunidade Vamp Norte-Americana daquele tempo. Isso não é nenhum tipo de segredo. E claro, isso gera algumas confusões até hoje porque tem gente que mistura ambos os contextos numa coisa só. É ai que entra a gente da Rede Vamp para informar e orientar que são dois contextos diferentes.

Vale sempre lembrar que a comunidade vamp já se encontrava ativa desde os anos setenta. E naquela altura já expressava um Ethos e Práxis muito bem estabelecido. E basicamente a Comunidade Vamp do hemisfério norte prosseguiu sua produção cultural, seus eventos, fashionismo e espiritualidade, bem como seus negócios ininterruptamente. Hoje são quase cinco décadas de atividades! Isso é algo claro para os integrantes e pessoas mais próximas.

Claro, que para a imprensa da época (e até hoje) e para o amplo séquito de jogadores do World of Darkness houve muita desinformação, mistura de conteúdos e coisas assim. Não vamos julgar ninguém, né! Nem estamos aqui para isso. O mais importante é lembrar que tanto a Comunidade Vamp Internacional quanto os apreciadores e jogadores do World of Darkness são duas coisas diferentes. A Comunidade Vamp vivencia um diálogo em termos estéticos ou de espiritualidade com o Arquétipo Vamp em diversas camadas e dentro de um espectro mais amplo . Já o WoD é um universo ficcional de faz de conta, muito rico e interessante mas é isso.

O ponto mais interessante disso é que ambos os grupos seguiram e prosperaram nos seus respectivos caminhos até hoje e oferecem sentido, alento e inspiração para seus apreciadores. Muitos deles transitam entre ambos agrupamentos. E inclusive podem coexistir muito bem como vemos aqui mesmo no Brasil nos últimos 20 anos de atividades da Rede Vampyrica. Inclusive mantemos um blog exclusivo dedicado aos RPGS, Boardgames e afins na Rede Vamp.

Esse tema, esse período e suas consequências são bem melhor abordados no livro Mistérios Vampyricos: Arte do Vampyrismo Contemporâneo (disponível aqui)

Oferecer acesso e visões com fontes privilegiadas e muitas vezes exclusivas é uma rica tradição da REDE VAMP desde seu início em 2003. Nesta entrevista vocês poderão conhecer um pouco mais dos nossos nobres convidados dentro de um bate-papo fora da curva sobre muitos temas apreciados por vocês. Oferecer estes conteúdos para vocês é um prazer! Mas se vocês tem sede de ainda mais ou mesmo de legendas e traduções em nossos novíssimos conteúdos, apoiem nosso Campus Strigoi!

EMPORIUM VAMP ATENDENDO OS MAIS EXIGENTES IMORTAIS DESDE 2006

Facebook Comments

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog