DE QUE MORREU ÁLVARES DE AZEVEDO?

Back to Blog

DE QUE MORREU ÁLVARES DE AZEVEDO?

 

Antes de começar a pesquisar sobre Álvares de Azevedo, eu tinha certeza de que ele havia morrido de tuberculose. Afinal, é tão ‘romântico’ morrer tísico, não é? Além do mais, não são poucos os livros (e outras publicações virtuais) que afirmam que ele e mais um monte de outros poetas sofriam da doença. Então, quanto mais eu pesquisava, mais dúvidas eu tinha. Porque tinha a queda do cavalo e o tal do tumor. Até Lygia Fagundes Telles escreveu sobre o assunto, em seu livro Conspiração de Nuvens:

“Falou-se em tuberculose, em pulmões afetados, o Mal do Século, como se dizia na época. Muitos deles tinham aquele palor e aquela dor, mas foi nítido o diagnóstico após a operação que sofreu sem anestesia e sem gemido…”

E eis que eu encontrei um livro que prometia acabar de vez com minhas dúvidas. Uma pesquisa séria, feita por Tulo Hostílio Montenegro, com o sugestivo título de Tuberculose e literatura: notas de pesquisa. Só para termos uma ideia do envolvimento do autor com o assunto, ele dedica o livro “À memória de minha mãe, meu pai e Nilo – também tuberculosos”. O primeiro capítulo chama-se “Da pré-história aos nossos dias”, ou seja, bem abrangente!

Mas voltemos ao Maneco! São várias as passagens em que nosso querido poeta aparece nas páginas desse livro e a motivação é clara, pois, a tuberculose sempre foi tema de inspiração poética, não somente para Álvares, mas também para vários outros escritores. Tulo Montenegro explica essa obsessão pela tuberculose:

“Desde a Idade Média, junto à anemia juvenil, à palidez, à indolência […], seu prestígio se fortalecera durante o século passado [XVIII], graças, em parte, à ‘lenda poética e sexual’, que dava o atingido pela tuberculose como ‘extremado de amor’.”

Foi Machado de Assis quem disse que “os poetas em todos os tempos tiveram sempre queda para as criaturas descoradas”. E é claro que Álvares de Azevedo tinha essa ‘quedinha’ pela pálida virgem, pelo seio delirante, pelo suarento dormir… ele era um extremado de amor!

Mas se não foi de tuberculose, de que teria morrido Álvares de Azevedo? Tulo Montenegro traz luz às nossas dúvidas, ao afirmar: “De acordo com a declaração do médico Cesar Persiani, que lavrou o atestado de óbito, a causa teria sido ‘enterite, com perfuração do intestino’.” No mesmo livro, o autor cita ainda uma contribuição de suma importância, vinda do biógrafo de Maneco, Vicente de Azevedo, que conclui que “não há base para as afirmações da tísica”. E continua Vicente:

“Álvares de Azevedo faleceu em consequência de um tumor abdominal intestinal, localizado na fossa ilíaca esquerda […]. Sofreu o cacoete histórico de morrer moço; mas não foi tuberculoso.”

Portanto, apesar de algumas afirmações em contrário, Maneco não foi vítima da fatal doença; ele não morreu de tuberculose, mas sim, de um tumor. Que fatalidade!

 

Abraços e até o próximo texto!
Luciana Fátima

 

P.S.: Você gostou deste texto? Admira Álvares de Azevedo? Aprecia arte tumular? Então, siga a página do meu livro lá no facebook.com/DelirioPoesiaMorte e também a página do Noivo da Morte!

😉

Facebook Comments

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog