Penny Dreadful: Algumas considerações…

Back to Blog

Penny Dreadful: Algumas considerações…

Comigo você contemplará maravilhas horríveis.” – Sir. Malcolm

De Possessões, Vampiros antigos egípcios com tatuagens de hieróglifos a estudos científicos.  Dessa forma que Penny Dreadful começa o seriado. Para quem gostava do clima da série Drácula acrescente mais sangue e misticismo e diminua o glamour.

O Sir. Malcolm (Timothy Dalton) teve a filha raptada por um vampiro antigo. A Vanessa Ives  (Eva Green) junto a ele contrata o ator Ethan Chandler (Josh Hartnett) com o passado misterioso para entrar no covil de vampiros. Por um último o Sir Malcolm chama um estudante de necropsia ( Victor F ) para estudar os corpos dos vampiros atrás de uma possível cura. A série é totalmente gótica desde sua obscuridade até a época que se passa,  (século 19),  o que nos faz querer saborear mais do gosto por sangue!

A série foi criada por Sam Mendes e John Logan, diretor e o roteirista de 007 – Operação Skyfall.  E os dois primeiros episódios são dirigidos pelo Juan Antonio Bayona (O Orfanato).  Logan criou o argumento e escreve o roteiro, além de ser produtor executivo ao lado de Mendes e Pippa Harris (Warriors, The Hollow Crown,Call the Midwife)

Para que gosta de shippar personagens a carta de tarô para Ives e Chandler é a The Lovers.O nome dá filha de Malcolm é Mina! Teria isso alguma coisa a ver com Drácula?!Digo mais um nome para ferver o sangue de vocês: Doutor Frankenstein.Cheio de frases de efeito o episódio piloto faz com que a vampirada queira provar o próximo. Palavras de nossa colaboradora Jess Fangbanger!

[dropcap ]P[/dropcap]ara os órfãos do seriado Dracula da NBC que não conseguiu uma segunda temporada, temos a soturna Penny Dreadful! O título pode ser traduzido como “centavo aterrorizante” que nomeava as publicações de terror que custavam o equivalente a 1 centavo ou “One penny” na inglaterra vitoriana. A série tem um tom de “Liga Extraordinária” reunindo personagens como Doutor Frankenstein, Dracula, Jack O Estripador e Drácula que em geral são confrontados pela misteriosa vidente interpretada pela atriz Eva Green e seus aliados. A série conta com uma produção milionária típica da HBO embora originalmente seja uma produção do canal Showtime e se inspira na fascinante literatura vitoriana ou ainda na segunda geração de românticos do “mal do século”.Foi confirmado que Penny Dreadful terá uma segunda temporada prevista para estrear em 2015 e que inclusive a série irá explorar outros cenários além da nevoenta Londres. Convidamos nosso correspondente Tony Sockol (Músico e criador do legendário Theatre des Vampires, La Commedial del Sangue – um dos principais e mais influentes criadores da cena Vamp alternativa dos EUA desde os anos noventa) diretamente dos Estados Unidos para tecer algumas impressões sobre a primeira temporada.

 

Tony aponta os vampiros como um dos pontos mais interessantes do final da temporada. Os mortos-vivos ou vampiros eram capazes de tratarem uns aos outros com empatia e compreensão. Tal empatia recorda os anjos caídos de Paraíso Perdido de John Milton – seres imortais que jamais cumprirão seus destinos supremos, pois estão fadados a viverem a sombra da humanidade privadas de suas misericórdia e também consideradas perdidas pelo seu criador. Além da graça de Deus, suas dores são amplificadas. Pequenos Sísifos a rolarem suas pedras que sempre retornam para o mesmo lugar quando próximas ao final da trilha…Enfim, compreensão e empatia são atributos inexistentes na figura do protagonista Sir Malcom; ainda que charmoso e viciante ele não tem empatia com seus aliados o que o posiciona quase como um sociopata. Pobre da Srta Ives que ainda vive sob a proteção dele na próxima temporada.

Outro apontamento interessante levantado nos diversos artigos de Tony é que o seriado cronológicamente existe na mesma época da fundação ou desenvolvimento das principais ordens e sociedades discretas. Seria interessante vermos Sir Malcom e sua trupe encontrando um jovem Aleister Crowley ou Madame Blavastky – de repente visitarem ainda uma sede da Golden Dawn e muitas outras possibilidades.Nosso correspondente também aponta que muito da trama de Penny Dreadful é uma re-leitura de Drácula de Bram Stocker o que inclui personagens homônimos e até mesmo a relação entre Srta Ives e a filha de Sir Malcom incontáveis vezes lembram a amizade de Mina e Lucy.

Sem dúvida a relação de Srta Ives se tornar a “Mãe de todo o Mal” se vier a dar a luz ao filho de Amun Rá ou o Mestre, recorda bastante o assédio de Drácula sobre Mina nos escritos de Stocker. A mulher moderna e que já provou das viscissitudes do mundo assombrada e perturbada pelo poder do sobrenatural que acaba se envolvendo emocionalmente e sendo arrastada pelo mesmo buscando sua redenção. Uma luz em meio a escuridão do mundo, mas também irresistível para mariposas ou entes sobrenaturais. Em Penny Dreadful todos carregam um mal inegável em seus corações que pode vir a explodir a qualquer instante.

Claro ainda há a trama paralela do criador Frankenstein e suas criaturas (o bom doutor adorava ressucitar cadáveres com partes de outros seres); temos ainda Dorian Gray e o pistoleiro norte-americano e muitas outras histórias interessantes acontecendo o tempo todo. A primeira temporada é de uma beleza plástica inegável, uma produção extremamente cuidadosa e certamente uma viagem inigualável através dos tempos vitorianos sem maquiagem ou arrebatamentos operísticos. Dá gosto ver que seriados como True Blood e mesmo o juveníl The Vampire Diaries conseguiram manter o canone vampiresco acessível e fideligno mesmo durante a estupidez da febre purpurinada de Crepúsculo; e agora séries mais maduras e interessantes como Dracula da NBC, Um Drink no Inferno e Hemlock Grove da Netflix, The Strain da F/X e Penny Dreadful podem reconquistar e re-afirmar o canone do gênero novamente para os saudosos de boas histórias Vamps e apresentar o contexto as novas gerações de maneira apropriada!

 

EXTRA!Saiba tudo que rolou no painel exclusivo de Penny Dreadful na San Diego Comic Con

PD2

Facebook Comments

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to Blog