Back to Blog

OS PRIMEIROS VAMPIROS BRASILEIROS

Rubens Lucchetti, o grande mestre do terror e do fantástico no Brasil que assombra nosso imaginário

[Um Texto de Lord A:.] Escrever este artigo sem mencionar o trabalho e a obra do mestre Rubens Francisco Lucchetti a frente de incontáveis romances pulps e revistas de histórias de quadrinhos de terror é uma evidente heresia. Nas suas páginas Drácula, Nosferatu e muitos outros vamps se imortalizaram no imaginário brasileiro contemporâneo. Ao falarmos de cronologias vampirescas falamos de uma história de efeitos e como seus conteúdos ressoam e influenciam continuamente novos criadores e criadoras com o passar das décadas estabelecendo um diálogo único e que se desenrola continuamente. Então, se você gosta de Vamps e não conhece o trabalho do Rubens eu sugiro que corra atrás de revistas como a Calafrio e incontáveis outras publicações.


RUBENS LUCCHETTI É O GRANDE PIONEIRO DO GÊNERO VAMP, DO TERROR E DO FANTÁSTICO BRASILEIRO
SUAS CRIAÇÕES E PERSONAGENS ASSOMBRAM ATÉ HOJE O IMAGINÁRIO E A CULTURA POP


No entanto, os primeiros vampiros  brasileiros não surgiram na década de 1960 do século XX, tampouco o novelista Antônio Calmon da Rede Globo ou o humorista Chico Anísio foram os “pais” dos vampiros daqui como dizem por aí, entre os anos 80 e 90. Isso também não depõem contra suas criações que por sinal apreciamos sem restrições. Nem o simpático Zé Vampir ou a Turma do Arrepio chegaram primeiro neste contexto. Embora hoje em dia seja comum histórias vampíricas ambientadas nos tempos de Dom Pedro ou ainda de Pedro Alváres Cabral, os primeiros vampiros brasileiros apareceram por aqui ainda no século XIX ao menos em termos históricos nas artes e na literatura. Digo isso, inclusive porque as culturas pré-colombianas que estavam por aqui bem antes de Cabral, já tinha morcegos sanguinários e jaguares como deuses e xamãs – também falamos mais disso neste outro artigo. Aliás a questão do vampiro e do xamã (incluindo ritos da América Central) é tratada de forma enpassant  e ainda neste outro artigo. E algo aqui recorda o Vurdolak que devorava a lua!

[space height=”20″ ]

VAMPIROS NA AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA

[space height=”20″ ]

A própria tradição oral brasileira fala sobre índios de hábitos noturnos conhecidos como “Kupe-dyeps” que saíam por aí degolando os inimigos com trajes de morcegos e machados de formas lunares no alto Tocantins. Tais índios morcegos lá na Serra do roncador e outras deidades e figuras folclóricas vampirescas ao longo da América do Sul e Central. Vale até mesmo acrescentar a polêmica de um deus morcego e de caninos alongados nomeado como “Moxica”, fato que incomodaria um monstro sagrado do nosso cinema nacional, que acredita que vampiros são europeus demais (um dia conto essa história).  Se considerarmos ainda os relatos de morcegos de estatura agigantada presentes na tribo Waipã, lá no Maranhão ou o caso de um fóssil dessa envergadura encontrado na Argentina no começo do século XXI em agosto de 2000, poderemos ao menos especular que a América do Sul tem muito mais a ver com o vampirismo do que o leste europeu, mas essa história fica para outro dia.

Como já disse os primeiros vampiros brasileiros vem do século XIX. Sim, o século 19 onde o vampiro foi um evidente fenômeno literário, teatral e operístico no velho e no novo mundo. Não poderia ser diferente e tampouco ocorrer de outra maneira. Interessante ressaltar que a maior parte destes vampiros brasileiros do século XIX foram publicados anteriormente ao célebre romance de Bram Stoker, colhendo influências e inspirações nos escritos de Teophile Gautier, Byron, Polidori, Baudelaire, Shelley e muitos outros grandes nomes do terror gótico. Falando em autores brasileiros, tenho certeza que o célebre Álvares de Azevedo, nos reserve alguma surpresa neste contexto Vamp…

[space height=”20″ ]

 Vamos falar um pouco das obras que apareceram os
primeiros vampiros brasileiros:

[space height=”20″ ]

1849 – OTÁVIO E BRANCA (A MALDIÇÃO MATERNA): Escrito por João Cardoso de Menezes e Souza foi o primeiro a trazer a imagem vampiresca ainda que de maneira sugestiva como uma maldição dos pais que recai sobre os filhos. A imagem do vampiro aparece praticamente no começo e no encerramento da obra de maneira sublime, na forma dos amantes que dão nome a história, ambos morrem jovens e amaldiçoados ficando propensos a vagarem entre os mundos. Ainda que ambientada no Brasil ela ressalta um inegável clima europeu.

[space height=”20″ ]

1890- FOME: De Rodolfo Teófilo tem como cena marcante quando o protagonista adentra um quarto onde dezenas de morcegos sugam copiosamente o sangue de uma criança já morta. A imagem evocada pelas palavras impressiona até mesmo os leitores de hoje pelo requinte macabro e aceitavelmente exagerado. Tais morcegos são retratados como animais com fome se alimentando no terrível e desértico sertão. Interessante pontuarmos até hoje existem relatos de morcegos de grandes proporções e suas ossadas encontradas através da América do Sul.

[space height=”20″ ]

1891- A MORTALHA DE AUZIRA: O autor foi Aluísio de Azevedo, também responsável pelo livro “O Cortiço” obra conhecida e recorrente dos vestibulares brasileiros. Sombria ao extremo e ambientada na França do século XVIII narra os espectrais encontros entre o padre Angelo e a cortesã Alzira, ele sedento pelo sangue de quem tentar lhe afastar da amante e ela ávida por consumir seu espírito e vitalidade. Vale pontuar que estes encontros ocorrem depois da morte dela através de sonhos, onde aos poucos o bom padre perde a noção do que é a realidade comum. Fulminado pela paixão o bom padre descobrirá como sua energia e vitalidade pode se esvair por esta ferida afetiva e lhe assegurando um destino pior do que a morte. Aliás, você já leu nosso artigo sobre os morcegos do cemitério Pére Lachaise, na França? Já assistiu nosso video exclusivo no cemitério HighGate em Londres? Ou ainda o artigo na exposição da Luciana Fátima?

[space height=”20″ ]

1893- ACAUÃ: Desenvolvido pelo autor Inglês de Sousa foi um grande sucesso literário do seu tempo onde a vampiresca Vitória leva a jovem Aninha a definhar gradativamente. Diferentemente das outras obras presentes neste artigo aqui a ambientação tem pouco ou quase nada do gótico europeu, sendo o título uma menção a uma ave considerada agourenta no Amazonas e entre os ribeirinhos que vivem isolados de todos. O ponto alto da obra é que ela é a melhor a retratar elementos brasileiros como crenças e superstições locais na imagem vampiresca que se alimenta da vida e da vitalidade emocional dos outros. *E pensar que mais da metade da minha vida morei próximo a rua que leva o nome deste escritor, sem conhecer tal obra…

[space height=”20″ ]

1908- ESFINGE: Publicado no começo do século XX e de autoria de Coelho Neto traz um vampiro acentuadamente andrógino chamado James Marian apaixonado por sua Miss Fanny que morreu há poucos dias de uma moléstia que consumiu pouco a pouco. Sobre o tal vampiro e sua sede espiritual afirma-se que ele foi o resultado de uma cabeça feminina implantada em um corpo masculino(!) o que nos remete a uma inspiração ou influência do clássico Frankenstein. Ambientado no Rio de Janeiro daquela época traz em suas páginas diversos tipos e elementos característicos da localidade alinhavado a simbolismo oriental, boemia e os criativos daquele tempo. A trama gira ao redor da história da vida desta quimera chamada James Marian.

[space height=”20″ ]

O QUE ACONTECEU DEPOIS DISSO TUDO?

[space height=”20″ ]

O terceiro capitulo do livro aborda detalhadamente os últimos 40 anos da produção cultural vampiresca no Brasil em todos os frontes!

Entre 1908 e 1960 temos um período de 52 anos que o vampiro aparentemente esteve relegado a produção literária e conteúdos espiritualistas ou ocultistas no contexto brasileiro. Isso não vem a ser uma regra, mas aparentemente o material deste período é bem escasso.

Os vampiros retornam a cultura pop brasileira e ao seu imaginário com maior ênfase durante a década de 1960 com as criações do autor Rubens Lucchetti nos quadrinhos e romances “pulp” que foram verdadeiros êxitos editoriais. Mais ou menos no final daquela mesma década teríamos o lançamento do filme nacional “Um Sonho de Vampiros”, com a participação da atriz Norma Bengell no filme italiano “Planeta dos Vampiros” e com a novela carioca “Mansão dos Vampiros” com o galã Mário Gomes e Tereza Rachel. E a partir daí também nas montagens teatrais diversas.

Daí em diante a história do que aconteceu aqui no Brasil, cerca de quatro décadas até mais ou menos 2014 é narrada detalhadamente e com exclusividade no livro MISTÉRIOS VAMPYRICOS A ARTE DO VAMPYRISMO CONTEMPORÂNEO, disponível aqui.

Facebook Comments

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog