O Sabá – Seus tratados e a Mão Negra

Back to Blog

O Sabá – Seus tratados e a Mão Negra

 

A idade das trevas para os vampiros foi marcada por muitas descobertas, desde o nascimento de novos clãs e conhecimentos até mesmo a descoberta da existência de alguns clãs de terras distantes e a contestação do status quo dos anciões.

Desses eventos eu gostaria de destacar a descoberta do Clã Assamita, a formação da Camarilla e a revolta anarquista.

Por volta dos séculos XIV e XV estourou a revolta anarquista que consistia no levante de muitos vampiros relativamente jovens contra seus anciões, eles alegavam que os anciões os usavam como peões e não lhes davam o devido respeito além de interferir na liberdade deles, alegavam também que a Camarilla seria só uma estrutura criada para proteger os Anciões e seus interesses sob o pretexto de leis que iriam garantir a sobrevivência e subserviência dos mais jovens. Conflito formado e hordas de vampiros e carniçais se lançando umas contra as outras durante as noites levando à situações complicadas e a morte de um ou outro ancião.

Paralelo a isso tudo houve o encontro com o Clã Assamita que de início não foi reconhecido como um clã. Eles são vampiros do oriente médio e possuem uma cultura baseada na diablerie. Diablerie é um ato que consiste em um vampiro sugar a alma de outro, isso faria com que o vampiro que absorveu o outro absorvesse também seu poder, o vampiro absorvido por sua vez fica em sofrimento eterno já que sua alma foi consumida. Simplificando, os Assamitas possuíam como crença o “canibalismo vampírico” para se tornarem mais fortes e isso não foi bem recebido por ninguém.

A Camarilla lutava em dois frontes, um contra os anarquistas e outro contra os Assamitas e outros clãs que não se uniram a ela. Em um dado momento todas as partes envolvidas chegaram à conclusão de que as perdas haviam sido demasiadas e era hora de um acordo, mesmo que fosse a contragosto.

 

 

A convenção dos espinhos

 

Ela leva esse nome por ter sido assinada na vila de Thorn (espinho em inglês). Consistiu em um tratado de paz parecido com o tratado de Versalhes após o fim da segunda guerra. Nele eram reconhecidas a existência da Camarilla e dos clãs que a compunham, do movimento anarquista e do Clã Assamita. Houve uma anistia de por parte da Camarilla pelos crimes cometidos pelos Anarquistas e a devolução de terras e direitos usurpados deles. Aos Assamitas foram devolvidos, mediante pagamento de indenização, alguns de seus anciões bem como uma maldição fora lançada fazendo com que o clã fosse impedido de beber sangue de outros vampiros.

 

Agora você deve estar se perguntando “mas onde entra o Sabá nisso tudo?”. Bem, havia quem não estivesse satisfeito com a convenção dos espinhos, dois clãs especificamente, o Clã La sombra e o Clã Tzimisce. Estes dois clãs alegaram terem destruído seus antidiluvianos e se declararam livres da influência deles. Os dissidentes de outros clãs se uniram aos La sombra e Tzimisce e fundaram o Sabá. Uma seita extremamente hierarquizada que luta pela liberdade de escolha dos cainitas e venera sua natureza monstruosa. Absorveram muitos ritos e elementos da igreja católica os fazendo parecer fanáticos religiosos. A crença suprema do Sabá se pauta na volta de Caim, o primeiro vampiro, que virá para destruir seus filhos. O  Sabá acredita que se destruir os antidiluvianos (membros de 3º geração que destruíram os de 2° geração) conseguiram o perdão de Caim e poderão enfim reinar sobre os mortais.

 

 

Os Tratados

 

No fim o Sabá nasceu dos que cainitas não são signatários da convenção dos espinhos que criaram uma seita religiosa, militarizada e extremista, falando em linhas gerais, por essas características já é de se esperar que a seita seja violenta e essa violência não se limita só aos seus inimigos, vários conflitos internos minaram as forças do Sabá e o tornaram pouco organizado no decorrer dos anos até que em 1903 foi assinado o “Tratado de Sustentação” no qual os membros do Sabá juravam lealdade a seita e a não violência contra os membros da própria seita por benefícios próprios, mas não foi o suficiente e os conflitos internos continuaram até que em 1933 foi assinado o “Tratado de Milão”, este último muito mais detalhado e seus signatários foram os líderes das maiores facções internas do Sabá. Dentre as matérias abordadas no documento estavam o apoio ao Regente da Seita desde que este se mantivesse fiel aos ideais da seita e cuidasse de seus membros, a celebração e respeito aos Auctoritas Ritae e o apoio à “Mão Negra”.

 

Hierarquia Sabá

 

Regente: É o líder supremo do Sabá e coordena as ações em grande escala da seita. É amparado por um conselho de vampiros chamado de Consistório.

 

Cardeais: São responsáveis regionais do Sabá. Coordenam as ações de Arcebispos e possuem forte poder político e físico.

 

Priscus: São membros proeminentes do Sabá e agem como conselheiros do Regente, dos Cardeais e Arcebispos. Possuem forte influência política na seita e junto com os Cardeais formam o Círculo Interno do Sabá, uma instituição que pode derrubar as decisões do Regente.

Uma das formas mais comuns de formar exércitos que o Sabá utiliza são os Festins de Criação (também conhecidos como Festa da Pá). Os vampiros capturam vários mortais e os acertam com uma pá, então os transformam e enterram. Quando os vampiros despertam sedentos por sangue tem que cavar de suas sepulturas de volta para a superfície onde geralmente sairão atacando uns aos outros ou matando mortais indiscriminadamente.

 

 

 

 

Arcebispo: É o equivalente de Príncipe no Sabá. São responsáveis por uma cidade grande ou um conjunto de cidades pequenas. São nomeados pelos Cardeais e geralmente são os vampiros mais fortes das áreas que são responsáveis. A área de responsabilidade de um Arcebispo é chamado de Arquidiocese.

 

Bispo:  São os administradores dos recursos da seita e geralmente compõem um conselho com 3 a 5 Bispos que supervisionam mais de perto determinados territórios de cidades grandes chamados de dioceses ou cidades pequenas por inteiro.

 

Ductus: São os líderes de seus bandos e coordenam suas ações. Os bandos são os grupos de vampiros no Sabá (na Camarilla são chamados de Círculos).Os bandos podem ter funções específicas ou não, serem nômades ou não. No geral é mais uma forma de observar uns aos outros e se organizar.

 

Sacerdotes: São responsáveis pelo bem-estar espiritual dos membros da cidade. Agindo como conselheiros de seus Ductus, são responsáveis por realizar os rituais dos bandos.

 

Paladinos e Templários: São a guarda pessoal de líderes de alta patente do Sabá como Arcebispos, Prisci ou Cardeais.

 

 

A Mão Negra – Uma seita dentro da seita

 

É a força militar de elite do Sabá. Pense em uma agência secreta de inteligência. É a Mão Negra. Ser membro da mão negra lhe concede certo status dentro do Sabá, ainda que não seja adequada que saibam quem são seus membros. Eles estão espalhados por todo o globo e estão na formação de alguns bandos. Quando necessário são convocados e deixam seus postos em seus bandos e se reúnem com os membros do “Kamut” (seria o bando para a Mão Negra). Os Kamut são temporários, são pequenas equipes militares comparadas aos Bandos do Sabá. Um Kamut que seja constante, ou seja, um Bando do Sabá formado exclusivamente de membros da Mão Negra é chamado de Pilar.

A hierarquia da Mão Negra consiste nos seguintes postos:

Serafins: São 4 no total e lideram a Mão Negra. São a cabeça de todas as ações da seita.

Segundos: Cada Serafin pode ter 3 Segundos, assim como Caim teve os 3 membros de 2° geração. Eles são assessores diretos dos Serafins e os auxiliam em diversas tarefas.

Comandantes de Vigia: Uma Vigia é uma região onde existem membros da Mão Negra operando e o Comandante deve deve gerenciar esses membros.

Marechal de campo: É um líder de missão e cuida dos planos de ação dos vários Kamut.

Dominion: É o líder do Kamut. Geralmente são líderes em seus bandos.


Removedores: São responsáveis por remover uma obstáculo a mando de um Dominion, seja ele a guarda de um príncipe da Camarilla, um sistema de segurança ou mesmo uma alcateia de lobisomens. Estes são os membros mais visíveis da Mão Negra e tem sua imagem como representação da própria Mão Negra. São a força mais poderosa em uma situação de cerco à alguma cidade da Camarilla.


Shakar: São assassinos especializados. Hoje o título está em desuso, ainda existem alguns que carregam esse título. O nome foi dado na época em que muitos Assamitas faziam parte da Mão Negra.

Emissário: É o membro encarregado da parte política da Mão Negra e a comunicação com o Sabá “comum”. Servem de ponte entre Bispos e Arcebispos com a Mão Negra.

 

Boa noite, neófito.

 

Facebook Comments

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to Blog