Extrusão Fetal após a Morte ou Nascimento de Caixão

Back to Blog

Extrusão Fetal após a Morte ou Nascimento de Caixão

Boa noite vamps e afins…  hoje irei falar pra vocês sobre o Nascimento de Caixão.  Já ouviram falar? Não? Então leiam o artigo e deem a opinião de vocês nos comentários.

 

*O que é o Nascimento de Caixão?

 

O Nascimento de Caixão, como é mais conhecido, tem o nome entre os profissionais da necropsia e ciência de Extrusão Fetal pós Morte. Que nada mais é do que a expulsão de um feto não viável pela abertura vaginal do corpo decomposto de uma mulher grávida morta como resultado do aumento da pressão dos gases intra-abdominais. Este caso de parto após a morte ocorre muito raramente durante a decomposição do corpo. A prática de preservação química, através do qual os preservantes químicos e soluções desinfectantes são bombeadas para o corpo para substituir os fluídos corporais naturais (e as bactérias que residem neles), fez a ocorrência de “nascimento de caixão” tão rara que o tópico é raramente mencionado nos discursos médicos internacionais.

* Como Acontece?

 

Tipicamente durante a decomposição do corpo humano, normalmente com as bactérias a trabalhar nos órgãos da cavidade abdominal (tal como estômago e intestino) são gerados gases como produto do metabolismo, que causa o inchamento do corpo. Em alguns casos, a pressão confinada dos gases pode apertar o útero, forçando até para baixo, e pode sair e ser forçado para fora do corpo pela abertura vaginal (um processo chamado prolapse). Se um feto está dentro do útero, pode portanto ser expelido do corpo da mãe pela abertura vaginal quando o útero sai, um processo que, para aparências exteriores, imita o parto. As principais diferenças estão no estado da mãe e do feto e no mecanismo do parto: no parto natural, as contrações da mãe encorajam o bebé a sair do ventre; no caso de um nascimento de caixão, a pressão dos gases acumulados no corpo da mulher grávida morta, empurra o feto morto do corpo da mãe.

*Casos já Registrados?

 

Foram registados casos pelas autoridades de medicina desde o século 16, apesar de alguns casos arqueológicos darem provas de que esta ocorrência surgiu em vários períodos da história. Enquanto que casos de expulsão fetal após a morte sempre foram raros, o fenômeno foi registado em circunstâncias muito diferentes e é ocasionalmente visto num contexto forense moderno quando o corpo de uma grávida morta fica parado e descoberto por algum tempo depois da sua morte. Existem vários exemplos que demonstraram que o termo nascimento de caixão é um nome impróprio em vários circunstâncias. Também existem casos onde um feto pode ficar separado do corpo da mulher grávida pela altura da morte ou durante a decomposição, apesar de esses casos não serem consistentes com o processo descrito aqui, não são considerados verdadeiros casos de extrusão fetal após a morte.

Em 2008, o corpo de uma mulher de 38 anos, grávida de sete meses, foi descoberto num descampado quatro dias depois de ter desaparecido da sua residência no Panamá . Um saco de plástico tinha sido deixado sob a sua cabeça e ela tinha sido amordaçada; o caso foi designado como homicídio. O corpo tinha sofrido de calor tropical e alta umidade, e estavam em decomposição e altamente descolorado. Na autópsia, os restos do feto foram descobertos na roupa interior da mulher. Apesar de o feto estar num estado de decomposição semelhante, o cordão umbilical estava intacto e ainda preso à placenta dentro do útero.

Então, achou interessante? De sua opinião sobre o assunto aqui nos comentários e caso tenha alguma dica sobre algum artigo, envie-nos um e-mail para [email protected] e curta nossas redes sociais em:

EngelBlut

Facebook Comments

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog