Back to Blog

A lenda de Doppelgänger

Imagine as seguinte situações: Você está na casa da sua avó, conversando com ela enquanto ela prepara um daqueles almoços deliciosos e de repente você vê uma cópia idêntica a ela entrar na cozinha e falar com você, enquanto parece fazer os mesmos movimentos que sua avó. Detalhe: só você está vendo, aterrorizado, pasmado, aquilo acontecer. Ou então você conhece alguém em um bate-papo online, alguém com quem tem muitas coisas em comum. Vocês se adicionam no Skype e passados alguns minutos esse alguém resolve abrir a câmera. É quando você fica pasmado, quando você sente como se estivesse se olhando para o seu reflexo no espelho ou para um irmão gêmeo idêntico. Não, você não está ficando louco e não, talvez você não tenha um irmão gêmeo perdido no mundo, muito menos um clone. Acalme-se. É apenas um doppelgänger.

doppelganger

Acredito que todos os fãs de ficção já tenham ouvido falar destas duplicatas.

O mito foi abordado mais recentemente em algumas séries como The Vampire Diaries e Grimm, mas há muito tempo já é citado em lendas, na mitologia e em obras de diversos autores famosos como no conto William Wilson de Edgar Allan Poe, no romance O Duplo de Dostoievsky (que foi adaptado para o cinema e teve estreia no Brasil o ano passado), em Prometheus Unbound de Percy Byshee Shelley  e até mesmo num conto de Clive Barker em seu Livros de Sangue.

Mas o que é um Doppelgänger? 

A palavra é de origem alemã e apareceu pela primeira vez em meados de 1851, junção dos vocábulos doppel (duplo, duplicata) e gänger (andarilho), porém muito antes disso, os vikings usavam o termo vardøger para descrever algo parecido, mas com uma conotação menos sinistra.No folclore e mitologia antiga o doppelgänger é retratado como uma entidade com aparência idêntica a de uma pessoa, como um gêmeo idêntico, mas que não tem sombra e nem reflexo. Também é conhecido como um “gêmeo mau” com motivações diabólicas.

Geralmente encontrar o seu próprio doppelgänger é considerado presságio de má sorte ou até mesmo de aproximação da morte, enquanto ver o doppelgänger de um amigo ou de um familiar é sinal de que ele ficará doente ou está correndo grande perigo.

Alguns relatos sugerem que os doppelgänger podem querer aconselhar a pessoa que eles sombreiam, mas o conselho deles pode ser malicioso e prejudicial. Eles também podem tentar plantar ideias espantosas na mente de suas vítimas e é por esta razão que em muitas culturas é dito para que caso encontremos nosso doppelgänger por aí, não devemos dar atenção a ele.

doppelgangerPor sinal, há uma lenda dinamarquesa em que um ferreiro teria visto um troll sequestrar uma mulher grávida e então usando um ferro quente da sua forja, o ferreiro colocou o troll para correr e levou a mulher para a sua própria casa. A mulher quase que imediatamente da à luz a gêmeos. O ferreiro corre para a casa da mulher para encontrar seu marido a fim de contar a ele sobre o resgate e sobre o nascimento dos seus filhos e para a sua surpresa, ao entrar na casa, o ferreiro o encontra na cama com um doppelgänger de sua esposa. No final, o ferreiro mata a impostora e reúne o homem com a sua verdadeira família.

Ainda que a maioria dos relatos conhecidos sobre doppelgänger sejam ficcionais e careçam de fontes (por serem lendas) há alguns casos verídicos de bilocação/desdobramento atribuídos ao doppelgänger.

Um dos casos mais famosos foi contado pelo escritor americano Robert Dale Owen, que ouviu um relato da jovem Julie von Güldenstubbe, filha do Barão von Güldenstubbe, que em meados de 1845 frequentava um colégio para meninas perto de Wolmar na atual Letônia. A garota tinha apenas 13 anos, mas não era a única testemunha de que uma de suas professoras – Emilie Sagée – tinha um doppelgänger.

Segundo relatos destas testemunhas, houve uma vez em que Emilie Sagée estava escrevendo na lousa durante uma aula, quando sua duplicata apareceu e ficou de pé ao lado dela, imitando todos seus movimentos. Eram exatamente iguais, com a diferença de que a duplicata não segurava um giz. Tal aparição foi testemunhada por 13 alunos.

Em outra ocasião, 42 meninas estavam em uma aula de costura e bordado quando puderam ver claramente Emilie colhendo flores no jardim da escola. Por algum motivo, a professora que as supervisionava precisou sair da sala e nesse momento a duplicata de Emilie surgiu, sentando-se no lugar da professora que se ausentava. Ao mesmo tempo podiam ver a verdadeira Emilie Sagée no jardim, parecendo bastante cansada e subitamente pálida. Duas alunas corajosas tentaram se aproximar e tocar a aparição, mas sentiram certa resistência em volta dela, algo impenetrável.

E o mais estranho da história toda é que Emilie Sagée afirmava que nunca havia visto a sua duplicata, mas quando era alertada de que ela estava por perto, era sempre no momento em que se sentia como estivesse tendo suas energias drenadas.

doppelganger3Este é apenas um dos vários casos famosos sobre doppelgänger, um dos mais intrigantes, porque normalmente é considerado que pessoas sem vínculo de amizade ou de sangue com a vítima não consegue ver o seu doppelgänger.

Lenda ou não, muitas pessoas ainda hoje acreditam neste mito, porém alguns cientistas obviamente já se prontificaram a dizer que é um fenômeno que ocorre apenas nos cérebros de algumas pessoas, que ao terem determinadas regiões afetadas ou estimuladas, acabam tendo alguns problemas relacionados ao raciocínio espacial. Outros médicos acreditam que estes relatos sejam apenas alucinações, especialmente nos casos em que apenas a vítima vê o seu doppelgänger.

Há também uma teoria de que também existimos em um universo paralelo e que tudo o que há neste mundo é replicado em outra dimensão, e de alguma forma, por algum motivo, às vezes podemos vislumbrar essa outra universo.

Sendo assim, como puderam ver, a ideia da existência de doppelgängers vai além das lendas e da ficção. Seja lá qual for a verdade por detrás desses estranhos casos, sem dúvidas é algo sobre que devemos refletir. E se não formos únicos? E se houver mais do que um de nós nesse universo? E se por algum bug na Matrix você acabar encontrando sua cópia por aí? Como lidaria com isso? Acreditaria que é um mau presságio ou tentaria entender o que está acontecendo?

Lembrei-me agora de um curta que assisti há alguns anos atrás. O título é Tuck Me In e retrata bem o pavor de encontrar um doppelgänger … debaixo da sua cama. Assista abaixo.

Facebook Comments

Share this post

Comment (1)

  • terroremengelsblut Reply

    Adorei! Sempre adorei essa história de Doppelganger… Está de parabéns querida.

    julho 4, 2016 at 12:08 pm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog