A substância dos sonhos e a melancolia Vox Vampyrica#18

Back to Blog

A substância dos sonhos e a melancolia Vox Vampyrica#18

A substância dos sonhos e a melancolia

A substância dos sonhos e a melancolia são dois temas bem interessantes. Gosto de enxergar ambos por meio de um olhar pré-moderno. Na Cosmovisão Vampyrica temos bem claramente que pensar e sonhar, são duas faces da mesma moeda. São apenas estados diferentes de uma mesma substância. Outros povos vindos da Índia também pensam de maneira convergente.

OS ESTADOS DE SONHO

Entre os hindús temos estados de sonho. O mais conhecido é o Swapna, um sonho mercurial. Jagrat assume um sulfúrico como nosso pensamento através do cotidiano. O terceiro estado é Sushupti, tem uma natureza fixa e salínea. Corresponde aos sonhos onde o nosso ego está desativado, como aquelas noites que dormimos e juramos que não sonhamos nada. Uma fonte indispensável sobre tais assuntos é o ocultista e magista Kenneth Grant. Uma leitura basal neste sentido é o livro “Aleister Crowley e o Deus Oculto”, da Penumbra Livros.

Estados de Sonhos e assuntos como este são melhores discutidos nos 3 encontros do curso “Mistério do Vôo Noturno”. Apresentado em nosso Lyceum de Artes Ocultas, confira as próximas datas, aqui. Lá é um bom lugar para falarmos sobre a substância dos sonhos e a melancolia.

A MELANCOLIA

Já a Melancolia que falamos neste video e neste breve artigo é de tom saturnino e oracular. Fria como a terra no inverno. É muito similar ao que é apresentada na chamada teoria dos 4 humores. Aquela mesma que inspirarou e influenciou a alquimia e a medicina ao longo de bem mais de um milênio. É aquela que satura uma pessoa e a torna mais calada. Oferecendo aquele olhar distante. Geralmente uma feição taciturna que subitamente se quebra em uma gargalhada violenta e a pessoa dispara ideias inconcebíveis. Uma observação deveras espirituosa ou aquela tirada que muda o rumo do dia. Ela é bem diferente das associações com a depressão. Quando falamos em melancolia hoje em dia ela é associada como banzo, tristeza ou o coração partido e desesperançoso contemporâneo.

APOIO CULTURAL EMPORIUM VAMP

Facebook Comments

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Blog