Entrevista com CrackDown [Dinamarca]

CrackDown se originou em Aarhus, Dinamarca em janeiro de 2015. Kim Holm e Lasse Mønsted se tornaram ambos ativos na cena alternativa como artistas e promotores de eventos antes de se prepararem para criar juntos um novo tipo de som.
O som do CrackDown é difícil de rotular – uma espécie de fusão entre o som electro alternativo dos anos 80 com módulos soundscapes (criados em máquinas da mesma época), assim como canções melódicas.

Alguns de seus trabalhos como “Smiles a Lot“, “Russia Do You Hate Me” e “Sun” produzidos entre 2015 e 2016 podem ser encontrados em https://crackdownmusic.bandcamp.com/.

Tive a oportunidade de uma pequena conversa com este grande projeto e fiquei muito contente pela recepção deste duo.

Ives Morgen: Quem são Kim Holm e Lasse Mønsted no CrackDown e o que vocês estão procurando?

CrackDown: CrackDown são apenas dois caras comuns, da Dinamarca, compartilhando um interesse mútuo na música eletrônica / industrial. Lasse é o principal compositor, programador, cantor e letrista, enquanto Kim é o cérebro por trás dos módulos Soundcapes do CrackDown. Tentamos infundir a nossa música com sons digitais limpos combinados com sons analógicos modulares e estamos à procura de novas formas de melhorar a sonoridade do CrackDown. Nós usamos um monte de amostras ao criar nossas canções, e é uma maneira de misturar sons sintetizados limpos, com sons da vida cotidiana.

Ives Morgen: Conte-nos um pouco sobre seus singles e como você se sente participando dos shows e sentindo a recepção do público ao vivo?

CrackDown: Nós dois temos trabalhos regulares e nós dois trabalhamos muito. Então fazer singles para expor nossa música, é o melhor processo de trabalho para nós. Tendemos a escrever um monte de músicas, e selecionar as músicas que achamos que são as mais fortes, e geralmente terminamos com um par de melodias fortes que nos acalma. Nosso processo de trabalho nos permite colocar um ou dois singles por ano, às vezes mais se tivermos o material para isso. Não há limite, e nenhuma agenda. Conversamos um pouco sobre reunir todos os nossos singles, e liberar isso como algum tipo de pacote / só com as melhores. É sempre um sentimento enorme e caloroso se permitir realizar performances de frente para uma audiência. O público é um componente importante para nós, e estamos felizes em receber qualquer tipo de apoio de nosso público. Estar no palco coloca-nos ambos em uma espécie de alteração de estado da mente, e ficamos realmente focados quando estamos no palco. O objetivo principal para nós é ter a nossa música exposta ao redor do mundo, e estamos prontos para fazer um show ao vivo em qualquer lugar que nos convidem.

Ives Morgen: Como vocês criam essas melodias, resgatando essa sonoridade eletro, com aquele sentimento oldschool e sons hipnóticos, clima melancólico e, ao mesmo tempo, mantendo uma forte essência?

CrackDown: Nós vivemos em um lugar onde nós temos estes invernos realmente longos, escuros, frios e cinzentos que também estão conduzindo a força por trás de nosso som. Quando você vive em um ambiente com escuridão durante todo o inverno, você fica afetado por ela e também é uma grande parte da expressão do CrackDown. Criar essas paisagens sonoras melancólicas é parte natural de nós como seres humanos, e tendemos a nos inspirar do mundo que nos rodeia, daí os longos e frios invernos. Não nos vemos como pessoas particularmente deprimidas ou “obscuras”, mas buscamos inspiração no mundo que nos rodeia e, novamente, o tempo aqui nos afeta igualmente como músicos. Ao criar nossas músicas, não temos nenhuma agenda pré-decidida, e apenas tentamos seguir com qualquer som criado primeiro, seja um linha de baixo, cordas, samples ou drumbeat. É importante para nós manter o nosso som limpo, agradável, denso e analógico, embora não seja algo que nós fiquemos pensando demais, é o tipo de coisa que apenas acontece a medida que nós seguimos. Como mencionado Kim é o cérebro por trás dos nossos módulos soundscape e costumamos utilizar muito estes sintetizadores modulares, que nos fornece um fluxo interminável de sons graves e analógicos. Nós também temos este antigo sintetizador russo de algum momento no início dos anos 80, que usamos muito, e combinando a programação com estes samples nos ajuda a criar e manter a sonoridade do CrackDown como ele é.

Ives Morgen: Deixe uma mensagem para seus fãs no Brasil?

CrackDown: Obrigado a todos por seu amável apoio, isso significa muito para
nós. Espero nos vermos no Brasil algum dia. São os votos de CrackDown.

Para conhecer mais sobre CrackDown visite:
http://crackdown.dk/

Canal Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCCHUrvuSJ4IKKQs9JXEHoTw