As Crônicas Vampirescas | Tudo o que sabemos até agora

Muito tem sido falado sobre a série que levará “As Crônicas Vampirescas” de Anne Rice para a televisão. E, eu notei que muita gente não está sabendo o que está acontecendo e vou ser direta em dizer o motivo: não procuram os canais específicos, voltados para este assunto e outros assuntos relacionados ao mundo vampírico ou mais sombrio. Existem outros sites de entretenimento famosões que publicam, eventualmente, uma notinha sobre o que está acontecendo no mundo Anne Riceano. E muitas vezes esta notinha passa despercebida por causa do fluxo de informações e notícias que tais sites publicam.

Então, por esse motivo, tem gente ainda achando que vai rolar uma longa metragem (também conhecido como filme) da série de livros “As Crônicas Vampirescas”. E também por isso, resolvi fazer um apanhado com as últimas informações sobre o que REALMENTE está acontecendo.

Vai ter sequência para o filme “Entrevista com o Vampiro” ou “A Rainha dos Condenados”? 

Não.Realmente HOUVE uma tentativa de levar as crônicas para o cinema no começo do ano passado, Josh Boone até mesmo chegou a fazer um roteiro, mas as negociações não foram adiante e em novembro do ano passado, Anne Rice readquiriu os direitos cinematográficos de seus próprios livros – os quais, anteriormente, haviam sido cedidos para a Universal Studios.

Desde então, Anne Rice e seu filho, Christopher Rice, estão trabalhando em tornar realidade o sonho de ter uma série televisiva adaptada de “As Crônicas Vampirescas”. Christopher está trabalhando dia e noite no roteiro, quando não está viajando para divulgar o livro “Ramses The Damned: the Passion of Cleopatra” ou para se encontrar com diretores e produtores de filmes e séries. Mas porque ele e não Anne Rice? Ainda que nossa querida escritora esteja com a saúde em dia, ela não tem mais 30 anos, meus leitores. Ela já é uma senhorinha e viagens podem ser realmente cansativas.

Porém, ela esteve na Califórnia para assinar com a Paramount Television que junto com a Anonymous Content devem produzir a série do jeito como ela e seus fãs querem: completamente fiel ao que está nos livros e não aquela coisa louca que fizeram com “A Rainha dos Condenados”.

Sobre elenco e tudo mais, tudo o que temos até agora são especulações. De acordo com informação divulgada pela Anne Rice em sua página no facebook, ainda temos um ano pela frente até começarem os testes para o elenco oficial da série. Recentemente, ela voltou a pedir sugestões de jovens atores em ascensão que poderiam vir a interpretar o Lestat. É necessário que além de um bom ator, ele tenha as características físicas de Lestat: loiro e olhos claros. Ela tem falado bastante sobre o Kivanç Tatlıtuğ, um ator turco, mas eu acredito que ele já tenha passado da idade para interpretar Lestat. Ela também tem falado muito sobre Matthew Macfadyen para interpretar o Marius. Bom, como eu disse, são apenas especulações e Anne Rice está super aberta para sugestões enviadas diretamente pelos comentários de sua página oficial no face ou na página oficial das Crônicas Vampirescas – A Série.

SOBRE O ENREDO

A transformação de Lestat em um vampiro, fase por fase, naquela longa noite na torre com Magnus, quando ele bebe o sangue e gradualmente vai percebendo o quão forte ele está e como ele pode ver e sentir o mundo de uma forma bastante diferente do que via e sentia quando era mortal, é um dos pontos altos da primeira temporada. E isso vai ser feito de uma forma como nunca foi vista em qualquer outra série para a televisão, segundo Anne Rice.

Se tudo correr como nossa querida escritora e seu filho planejam, haverá outros momentos altos, como por exemplo, quando Lestat transforma Gabrielle, sua mãe. Inclusive, Anne Rice quer que esse momento em particular seja muito bem retratado, com toda a beleza que ele merece. Algo como a transformação de Claudia no filme “Entrevista com o Vampiro”, mas de uma forma mais lenta e detalhada.

Falando em “Entrevista com o Vampiro”, Louis obviamente também será visto na série e sua história será mostrada sob o ponto de vista de Lestat. Porém, isso não deve acontecer na primeira temporada que, ao que tudo indica, será exclusivamente para mostrar a história de Lestat desde quando ele morava com seus pais lá na França até o momento em que ele é transformado por Magnus.

Outro ponto interessante é que apesar da Talamasca provavelmente entrar na série a partir do momento em que Lestat toma conhecimento sobre esta instituição, as Bruxas Mayfair não poderão aparecer na série em nenhum momento. Anne Rice explicou que o motivo é bastante simples: existe um outro projeto em andamento lá em Hollywood envolvendo as Bruxas Mayfair e por esse motivo ela não poderá utilizar nenhuma das personagens na série.

SOBRE DATAS

Ainda não há sequer uma previsão de quando realmente a produção irá começar, mas assim que for divulgado, farei questão espalhar a informação aos quatro ventos.

Mas, se eu fosse vocês, eu seguiria a página do Via Escarlate no facebook para ficar por dentro das últimas novidades sobre as Crônicas Vampirescas e muito mais, além de ficar ligado aqui na Rede Vamp.

Até a próxima!

Afinal de contas, o que é o Dia dos Vampiros?

Olá, leitores!

Aqui é a Dri Bzahr e após algum tempo sem escrever nada para vocês, eis me aqui para falar sobre o Dia dos Vampiros. Motivo: após observar uma discussão sobre o tema há algumas semanas atrás, eu notei que algumas pessoas ainda não sabem exatamente o que esta data significa, quais são os seus propósitos e tudo o mais. Então, estou aqui para esclarecer alguns pontos muito importantes e também dar minha opinião sobre a importância desta campanha.

O Dia dos Vampiros é uma causa social que foi idealizada pela cineasta, atriz e escritora Liz Marins (também conhecida pela sua personagem Liz Vamp) e que teve sua primeira edição em 13 de Agosto de 2002 na cidade de São Paulo. Desde então, a campanha tem sido adotada em diversas cidades do Brasil e do mundo. Isso mesmo, o Dia dos Vampiros já é “celebrado” mundialmente, chamando atenção para as suas três bandeiras, os três motivos da sua existência, que são:

Art by Kass Amorim e Kayan

1 – O incentivo à doação de sangue;
2 – A luta contra rótulos, discriminações e preconceitos de qualquer espécie;
3 – O incentivo à diversidade artística;

Acredito eu que não há tanta resistência quando falamos em ajudar o próximo (que poderia ser qualquer um de nós ou de nossas famílias ou círculos de amizade) com uma simples doação de sangue.

[Por sinal, você sabia que uma bolsa de sangue pode salvar até quatro vidas? Ou ainda a vida de 10 crianças? Pois é. E os hemocentros vivem divulgando que estão com os estoques baixos e não é novidade vermos pessoas desesperadas, pedindo doação de sangue de um determinado tipo para um parente ou amigo.

Mas na hora de doar sangue que será utilizado em um desconhecido, parece que fica mais difícil, não? Por que? Podia ser um familiar, um amigo…Pensem nisso.]

Porém, é necessário deixar claro que este não é o único objetivo do Dia dos Vampiros. As outras bandeiras sustentadas pela campanha são igualmente importantes.

O Dia dos Vampiros não apoia a luta contra apenas um determinado tipo de preconceito ou discriminação como muitas bandeiras que são erguidas em tantas outras campanhas (discriminatórias por si só), mas sim a luta contra TODOS OS TIPOS DE RÓTULOS, PRECONCEITOS E DISCRIMINAÇÕES!

Sabe por quê? Porque a discriminação e o preconceito também matam, também destroem vidas! A falta de conhecimento, de entendimento, de respeito e de empatia abrem as portas para o ódio, para a violência, para a exclusão e, consequentemente, para a perseguição, para a destruição e para a morte.

Então realmente não adianta apenas doar sangue para salvar vidas, mas também existe a necessidade da conscientização de que nem tudo aquilo que foge do padrão, representa um perigo.

A terceira bandeira fala sobre o apoio à diversidade artística.

Acredito que se você está aqui é porque tem a mente aberta para conhecer formas de arte diferentes não só em sua apresentação, mas também em seus propósitos (ou falta deles) e em suas raízes. Esta bandeira, por incrível que pareça, também está relacionada também à luta contra o preconceito e a discriminação.

Infelizmente, muitos artistas acabam não sendo reconhecidos como tais, por mais que seu trabalho seja resultado de muito talento e empenho, justamente por causa da falta de conhecimento, entendimento e respeito pelo que é diferente do padrão cultural vigente. Acreditem, esse preconceito acontece aqui nesse país chamado Brasil, que também é mundialmente conhecido pela sua diversidade cultural (ué?). Sem falar nas “perseguições” e no assédio que alguns artistas ditos “alternativos” acabam sofrendo pelos motivos que eu citei acima.

Diversidade existe, o problema é que ela não é divulgada pela mídia, logo, passam despercebidas ou são mal compreendidas.

Porém, eu costumo dizer que quando acreditamos em algo, quando apoiamos uma causa de todo o nosso coração, não existe obstáculo que não possa ser removido, não existe rocha que não possa ser perfurada.

Desde 2003 o Dia dos Vampiros passou a fazer parte do Calendário Oficial de Eventos da cidade de São Paulo (Lei 13.650 de 23 de setembro de 2003). Você sabia disso? Pois é, meu leitor. Em São Paulo o Dia dos Vampiros está garantido por lei.

Existem informações de que o projeto de lei que visa oficializar o Dia dos Vampiros também no calendário do Distrito Federal foi protocolado recentemente, porém deve ser votado somente no ano que vem.

Enfim, o Dia dos Vampiros não tem e nunca teve como objetivo homenagear nenhuma “tribo” ou subcultura. Não é dia de homenagem aos góticos e muito menos às pessoas que gostam de se vestir como o Conde Drácula ou como o Príncipe das Trevas e suas respectivas noivas. É algo sério, uma causa social com intenções bastante nobres e que deveria ser tratada como tal pela imprensa e não com manchetes e notas mal redigidas ou ainda redigidas com tons jocosos.

Bom, acho que ficou bem claro agora que o Dia dos Vampiros é uma campanha em prol da vida, da liberdade e da diversidade, não?

Qualquer dúvida, meu querido leitor, basta deixar nos comentários aí embaixo ou me procurar no facebook. Vocês também podem visitar a página oficial do Dia dos Vampiros clicando aqui ou o site oficial www.diadosvampiros.com.br

Até a próxima!

Baile de Máscaras no Fangxtasy | Uma noite para descobrir, experimentar e fantasiar

Com a proximidade de uma nova edição do Fangxtasy, que é um evento dedicado aqueles que sentem afinidade com tudo relacionado ao misterioso universo vampírico, eu sinto a necessidade de falar sobre os famosos Bailes de Máscaras, uma vez que este será o tema da próxima edição desta festa.

Como na maior parte da História, o Baile de Máscaras no Fangxtasy, também é realizado anualmente e neste ano será celebrado mais cedo, para marcar o ressurgimento do evento em uma nova casa que abriu as portas para abrigar o Fangxtasy, conhecida também por ser uma festa “vamp ‘n’ goth” de outro nível, bastante singular da noite paulistana.

Mas o que seria de uma Baile de Máscaras, se não fosse de “outro” nível? Não consigo imaginar algo feito dessa forma. Na verdade, eu bem posso imaginar, mas eu prefiro me deter à aura refinada de mistério que envolve esse tipo de evento.

Ah, você deve estar pensando que somente uma pessoa da famigerada classe elitista, da nata, da alta sociedade, pode participar de um evento como esses, não? Não, não! Isso faz parte do passado, dos grandes bailes da nobreza francesa e italiana!

Baile de Máscaras do Fangxtasy

Atualmente, o Baile de Máscaras no Fangxtasy é um evento que cujo valor do ingresso é bastante acessível, afinal, o importante é que possamos nos encontrar, nos conhecer e nos divertir a noite toda, apreciando números de dança e ilusionismo, sem ter que ficar com preocupações financeiras desnecessárias depois. [ – Entenda… Não é sobre fazer dinheiro, é sobre entretenimento, arte e diversão. E, principalmente, é sobre revelarmos aquilo que somente podemos revelar com ajuda da fantasia. É pela arte, é pelo amor pela arte!]

Por sinal, você sabia? Ao contrário do que pensam, lá nos idos da Idade Média, quando estes eventos tomaram início durante o período de carnaval na Europa, todos acabavam colocando uma máscara, vestindo um figurino e participando de elaborados desfiles – estes sim patrocinados pela realeza. Fora do período do carnaval, os bailes de máscaras ainda eram realizados para celebrar casamentos e alguns outros eventos da corte medieval.

Oh! Coincidência ou não, neste próximo evento que acontecerá em 10 de Junho, celebraremos os aniversários de pessoas muito especiais – inclusive, você poderá comemorar seu aniversário durante o evento, caso tenha interesse. Não parece fantástico comemorar o seu aniversário com seus amigos em um verdadeiro Baile de Máscaras? Eu acho incrível! Quem dera eu ter nascido em junho!

Pois bem, mas o que estou falando da época medieval, se todos estão mais familiarizados com aqueles belíssimos Bailes de Máscaras de Veneza? Ah, sim! Mas isso começou lá no século XVI, durante aquele período do Renascimento. Acontecia em toda a Itália, porém se tornou bastante popular em Veneza.

Nos dois séculos seguintes, os bailes se espalharam por toda o continente europeu. Não existia mais carnaval sem mascarados dançando e brincando pelos salões, ruas e avenidas a noite inteira.– Quem é você? Quem sou eu? Quem se importa?]

Por sinal, se não me falha a memória, foi nessa época de expansão que os Bailes de Máscaras chegaram ao nosso Brasil. Sim, foi isso mesmo. O primeiro foi celebrado em 1840, no Hotel Itália do Rio de Janeiro (não confundir com o Edifício Itália de São Paulo, que, por sinal, fica bem próximo ao local onde será realizado o Fangxtasy – Baile de Máscaras), como parte dos festejos do carnaval. Mais ou menos umas três décadas depois, esse tipo de festa ficou bastante popular no Rio de Janeiro durante os festejos do carnaval. Eram festas de alto nível que atraíam a atenção de pessoas de todo o mundo, não para sambar, mas valsar ou dançar ao som da polca ou da mazurca.

Não, vocês não vão sair de suas casas para dançar valsa, nem uma polca. Mas, eu tenho certeza de que não ficarão parados com as seleções escolhidas a dedo pelos DJs Demoh, Ives Morgen, Paulo R., e, claro, de um dos nossos anfitriões, Lord A:. Tem para todos os gostos! Anos 80, 90, Synth, Darkelectro, Gothic Rock e muito mais.

Bom, isto é, a não ser que você aprecie mais ficar sentado, conhecendo e conversando com pessoas que com certeza tem algo em comum com você – por mais que você se sinta um extraterrestre nesse mundo – em um ambiente amigável e aconchegante, saboreando uma boa taça de vinho Redivivo, um vinho tão singular quanto esta festa, para paladares exigentes e refinados, ou qualquer uma das outras inúmeras opções de drinks e bebidas que vocês encontrarão no menu.

Parece interessante, não? Vai me dizer que não está curioso (a) para saber como é viver algo desse tipo, estar entre pessoas afins e que apreciam as mesmas coisas que você? Quem sabe o que pode acontecer, o que a noite reserva?

Venha descobrir, celebrar e nos conhecer. Tenho certeza de que será uma noite inesquecível e da qual não vai se arrepender.

Fangxtasy – Edição Especial Baile de Máscaras

Quando: 10 de junho de 2017

Horário: A partir das 23h

Local: Rua Araújo, 155 – São Paulo/SP

Permitida a entrada somente de maiores de idade

Compre seu ingresso com desconto e antecipadamente neste link:
http://redevampyrica.com/product/ingresso-antecipado-fangxtasy-10-06-2017/

Página oficial do evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1490474857643268

Série animada do game Castlevania ganha teaser e data de estreia

Há alguns meses atrás a Netflix anunciou que estava produzindo uma série animada adaptada da famosa série de jogos de videogame oitentista da Konami, Castlevania, mas somente hoje foi liberado o primeiro trailer que mostra um pouco do que poderemos ver nas telas da televisão (ou de que você use para assistir a Netflix).

Sinopse oficial: “Inspirado na clássica série de videogames, Castlevania é uma fantasia medieval obscura que traz o último membro sobrevivente do desgraçado clã Belmont, tentando salvar a Europa Oriental da extinção pelas mãos do próprio Vlad Drácula Tepes.”

O roteiro ficou por conta do aclamado escritor de histórias em quadrinhos e graphic novels, Warren Ellis e a produção executiva, por Adi Shankar. A série é uma adaptação do terceiro game da franquia de jogos, Castlevania III: A Maldição de Drácula e será lançada em duas partes. Dê uma olhada no teaser aqui embaixo.

A história que veremos se desenrolar na série se passa no ano de 1476, com Drácula tendo tomado a Europa com o seu exército. Então, a Igreja recorre à família Belmont, um grupo especializado em caçar vampiros, para derrubar o vilão mortal. Dentre os membros desta família, está Trevor Belmont que tem um chicote lendário que mata vampiros (ok, não detenha-se muito pensando na lógica disso, apenas deixe passar e curta a série :)).

Além do teaser, também foi liberada a data de estreia da primeira parte ou temporada da série. Anotem aí: 7 de julho de 2017.  Isso mesmo, leitores! De 2017! É incrível como eles deixaram para anunciar bem próximo da sua estreia, não? Eu imagino que os fãs do jogo devem ter ficado surpresos e bastante animados.

Se você é fã dos jogos, conte para nós aí embaixo quais são suas expectativas para a série animada! Vamos adorar sua opinião.

Paramount vai produzir adaptação de As Crônicas Vampirescas para a televisão

E no começo desta tarde nublada aqui em São Paulo, Anne Rice anunciou que ela e seu filho assinaram contrato de opção com a Paramount Television e com a Anonymous Content, cedendo temporariamente a eles os direitos sobre 11 volumes de As Crônicas Vampirescas. A série será produzida por ela e por seu filho, Christopher Rice, juntamente com David Kanter e Steve Golin da Anonymous Content.

“É inegável que Anne Rice criou um paradigma em que todas as histórias de vampiros são mensuradas. O mundo rico e vasto que ela criou com “As Crônicas Vampirescas” é inigualável e sofisticado com tons góticos dos anos 90 que serão perfeitamente adequados para cativar o público. A série está cheia de personagens convincentes liderados por Lestat, que sem dúvidas é um dos personagens mais originais de dentro e de fora da literatura. Estamos empolgados em colaborar com Anne, Christopher e a equipe da Anonymous Content nesta série épica.” – disse Amy Powell, presidente da Paramount TV.

“Junto com os nossos parceiros da Paramount TV, vamos embarcar numa fantástica viagem com Anne e Christopher Rice para trazer a imaginação incomparável de Anne à televisão no momento em que este meio experimenta o seu ápice global de demanda por dramas empolgantes, de destaque e de alto nível. As Crônicas Vampirescas, em sua totalidade, não são apenas um universo fenomenal e complexo de narrações, elas também são um público mundial que cujas conexões com os livros e com a autora são profundas e permanentes. É uma grande responsabilidade ajudar a trazer os livros para a televisão, e estamos felizes com esta oportunidade”David Kanter, da Anonymous Content.

“Eu estou muito empolgada em trabalhar com a Paramount TV e a Anonymous Content – conhecidas por séries vanguardistas como True Detective, Quarry e The Knick. Nesta era de ouro da televisão, eu não poderia ter uma equipe melhor e mais apaixonada por ajudar a trazer meu amado herói vampiro, Lestat, à vida em uma série da mais alta qualidade. Este é um sonho realizado, tanto para mim e para o Christopher, quanto para os fãs que tem pedido para ver o Príncipe Moleque nesse meio há tantos anos. – declarou Anne Rice e Christopher Rice acrescentou: “O primeiro grande dia para mim neste projeto foi quando minha mãe me pediu para fazer parceria com ela. O segundo, é o anúncio desta parceria emocionante com a Paramount TV e com a Anonymous Content. Há décadas os fãs das Crônicas Vampirescas vem pedindo uma adaptação deste conteúdo para a televisão. Basta dar uma olhada nas bibliotecas dessas duas empresas inovadoras e verá que eles estão perfeitamente adequadas para realizar este desejo. Acrescente isso a sua paixão e entusiasmo pela visão de longo prazo para esta série que eu e mamãe compartilhamos. Estamos confiantes de que esse acordo incrível resultará em ótimas coisas para Lestat no universo da televisão.”

Sobre a Paramount TV

Atualmente a Paramount TV desenvolve e financia uma gama ampla de programas em todas as plataformas de mídia. Sua grade de programação robusta com excelentes distribuidores inclui o musical Grease: Live (vencedor de 5 Prêmios Emmy), Scholl of Rock, Os 13 Porquês (13 Reasons Why), Maniac, Shooter, Berlin Station, The Alienist, Galaxy Quest, Varsity Blues e The Warriors.

Sobre a Anonymous Content

Fundada em 1999 por Steve Golin, a Anonymous é uma empresa líder em gerenciamento e produção cinematográfica, televisivas e comerciais. Os clientes da Anonymous Content foram reconhecidos com os prêmios da Academia®, Emmys®, Golden Globes®, Tony Awards®, Prêmios Pulitzer® e outros prêmios de prestígio. A premiada divisão de Cinema e TV da empresa possui muitas obras de sucesso comercial e aclamadas pela crítica, incluindo Babel, Inverno da Alma, Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, Como Se Fosse a Primeira Vez, Spotlight: Segredos Revelados e para a televisão, The Knick, Mr. Robot, 13 Reasons Why, The Alienist e Maniac. Em sua carteira comercial, a Anonymous Content tem clientes como a Coca-Cola, a Prada e a Nike, entre outros.

Sobre a Dri Bzahr após ler estas declarações

Ahhhhh! Está acontecendo! Ahhhhhhhhhhh!

Atualização #2 – Crônicas Vampirescas: A Série

[Por: Dri Bzahr]

Olá, leitores!

Como eu havia prometido na semana passada, a próxima atualização sobre os assuntos Anne Riceanos não demoraria a acontecer e cá estou para contar para vocês tudo o que foi oficialmente divulgado até o momento sobre a adaptação das Crônicas Vampirescas para a televisão.

Sobre o enredo

A transformação de Lestat em um vampiro, fase por fase, naquela longa noite na torre com Magnus, quando ele bebe o sangue e gradualmente vai percebendo o quão forte ele está e como ele pode ver e sentir o mundo de uma forma bastante diferente do que via e sentia quando era mortal, é um dos pontos altos da primeira temporada. E isso vai ser feito de uma forma como nunca foi vista em qualquer outra série para a televisão, segundo Anne Rice.

Se tudo correr como nossa querida escritora e seu filho planejam, haverá outros momentos altos, como por exemplo, quando Lestat transforma Gabrielle, sua mãe. Inclusive, Anne Rice quer que esse momento em particular seja muito bem retratado, com toda a beleza que ele merece. Algo como a transformação de Claudia no filme Entrevista com o Vampiro, mas de uma forma mais lenta e detalhada.

Falando em Entrevista com o Vampiro, Louis obviamente também será visto na série e sua história será mostrada sob o ponto de vista de Lestat. Porém, isso não deve acontecer na primeira temporada que, ao que tudo indica, será exclusivamente para mostrar a história de Lestat desde quando ele morava com seus pais lá na França até o momento em que ele é transformado por Magnus (e não por Marius, pelamordedeus!)

Outro ponto interessante é que apesar da Talamasca provavelmente entrar na série a partir do momento em que Lestat toma conhecimento sobre esta instituição, as Bruxas Mayfair não poderão aparecer na série em nenhum momento. Anne Rice explicou que o motivo é bastante simples: existe um outro projeto em andamento lá em Hollywood envolvendo as Bruxas Mayfair e por esse motivo ela não poderá utilizar nenhuma das personagens na série.

Um outro detalhe sobre a série é que pode ser que apareçam personagens novos que ainda não foram citados em nenhum dos volumes que fazem parte das Crônicas Vampirescas, mas Anne Rice garante que não vão interferir naquilo que já foi escrito e documentado nos livros já publicados.

Sobre o elenco

Akasha, Pandora e Gabrielle estarão na série, sim, senhores.

E se dependesse apenas de Anne Rice, ela colocaria Lupita Nyong’o ou Tiana Benjamin para interpretar a Rainha Akasha. Diz ela que chegou a pensar na Eva Green, mas depois pensando melhor, achou que ela ficaria mais de acordo se interpretasse Pandora. E talvez Cate Blanchet pudesse interpretar Gabrielle.

Marius também vai aparecer na série, porque nada mais justo e coerente, não? Porém ela citou o ator Matthew MacFadyen como sua sugestão para interpretar o deus que eu sempre imaginei que Marius fosse. Não que Matthew não seja um ótimo ator, mas a fisionomia, eu não sei. Acho que ele não tem muito de Marius, apesar de uma parcela de fãs achar que ele seria ótimo para o papel. Então, aguardemos, porque são apenas especulações.

Sobre datas

Como eu disse no post anterior, não há nada de certo ainda em relação a datas, apesar de Anne e Christopher já terem se reunido com pessoas em Los Angeles realmente interessadas em colocar as Crônicas na televisão. Mas, se tudo correr como todos estão esperando, provavelmente a produção da primeira temporada deve começar ainda no final deste ano.

Não tenham pressa. É um longo e sombrio caminho esse de encontrar pessoas que estejam a fim de se comprometer com as ideias de Anne e Christopher Rice sobre a série e, claro, com o que seus leitores querem ver nas telinhas.

Tenho fortes motivos para acreditar que as negociações estão chegando em um ponto em que Anne Rice e seu filho não poderão mais falar tão abertamente e informalmente sobre quem eles gostariam de ver interpretando os personagens. Contratos de confidencialidade já foram e continuam sendo fechados. Sendo assim, as próximas atualizações sobre este assunto talvez contenham mais informações concretas em relação ao elenco e equipe de produção.


Bom, eu acho que consegui resumir os pontos mais relevantes sobre as últimas notícias oficiais sobre o andamento da série nestes dois posts.

Despeço-me de vocês agora, mas deixo aberto os comentários para que possam deixar suas perguntas, dúvidas e opiniões. Talvez eu possa ajudá-los e caso realmente queiram falar sobre o assunto, sintam-se à vontade para me procurar aqui no meu perfil no twitter.

Até a próxima

Atualização #1 | Crônicas Vampirescas – A Série

Olá, leitores da Rede Vamp!

Já faz algum tempo que não escrevo para vocês e muito menos os atualizo sobre os assuntos Anne Riceanos, não é mesmo?
Então, cheguem mais e se preparem para uma pequena atualização.

Lestat Louis Barmaid

A série vai rolar ou não?

Tudo indica que sim, porém, ainda não há nenhuma previsão de quando vai acontecer. Eventualmente na página oficial da futura série, Anne Rice e seu filho, Christopher Rice, postam questões para nós, fãs, respondermos. Normalmente eles pedem sugestões de atores para interpretar os personagens principais das Crônicas Vampirescas, assim como sugestões de criadores e produtores de séries e vez ou outra questionam como gostaríamos que a história dos personagens fosse abordada.  Acho isso muito bacana da parte deles porque eles realmente parecem levar em consideração a opinião dos leitores das Crônicas.

Lá eles também colocam atualizações sobre em que pé andam as negociações, mas ultimamente não andaram postando nenhuma informação muito concreta, não.

E já temos pelo menos alguns nomes de atores, produtores, equipe?

Anne Rice está correndo atrás de atualizar-se sobre as séries épicas mais recentes para avaliar a atuação de alguns atores que possivelmente serviriam para interpretar nossos belos e queridos imortais.

Como ela disse, interpretar imortais em uma série que não deve ter somente uma temporada é bastante complicado, justamente pelo fato de que seus vampiros não envelhecem. E como retardar o desenvolvimento de um jovem de 14 anos que fosse escolhido para interpretar Armand? Realmente há sérias questões que devem ser levadas em consideração.
Mas, mesmo assim, Anne Rice acha que não terá grandes problemas em encontrar os atores certos para os personagens. Segundo ela, há muitos atores de diversas nacionalidades que tem feito grandes trabalhos em séries que retratam dramas históricos.

Eu acho que o mais difícil vai ser escolher.

Então Justin Bieber não está sendo cogitado para ser o novo Lestat?

NÃO!  Não. Isso foi uma brincadeira de 1º de abril que o Christopher Rice concordou em fazer junto com um determinado site americano de grande visualização e grande crédito.

E sobre Stephen Amell…. É verdade?

Stephen AmellTudo o que Christopher ou Anne Rice andam divulgando e postando são apenas conjecturas e eu acho que especialmente a Anne tem o direito de opinar sobre quem ela gostaria de ver interpretando seus personagens, afinal, ela os criou. Nada mais justo, não? E eu acho que ela está fazendo um ótimo trabalho em ler a opinião dos leitores, porém, no final das contas, quem vai decidir vai ser ela e os responsáveis pelo elenco da série. Ponto.

Mas voltando ao assunto Stephen Amell. Anne Rice postou, sim, um comentário na página do facebook dizendo que ao ver uma determinada montagem de Stephen Amell com longos cabelos loiros (essa mesmo que você está vendo aí do lado) logo o imaginou dando vida ao seu Lestat. Isto não quer dizer que ele vai ser oficialmente cogitado para interpretar o personagem. Então muita calma nessa hora e parem de arrancar os cabelos sem necessidade, ok?

Por que da demora para termos informações concretas sobre a série?

Anne e Christopher tem em mente um projeto bastante ousado e que deve surpreender os leitores e fãs. Eles estão na busca de pessoas que tenham o mesmo comprometimento com as Crônicas Vampirescas que David Geffen e Neil Jordan e tiveram no filme Entrevista com o Vampiro, não alguém que vá mudar os personagens ou as situações descritas nos livros e que os leitores querem ver na televisão. E não é fácil encontrar pessoas que tenham esse tipo de comprometimento. Mas se animem! Recentemente eles estiveram em Los Angeles, provavelmente conversando com produtores sobre o projeto e ambos não poderiam estar mais animados. Então, parece que logo mais teremos boas novas.

E em que ponto das Crônicas Vampirescas a série começaria?

Segundo Anne Rice, a série deve iniciar-se antes de Lestat ser transformado em vampiro, lá no século 18 e então seguir esta linha, talvez até passando rapidamente por alguns eventos que aconteceram no livro Entrevista com o Vampiro e seguindo adiante. Ainda segundo Anne, provavelmente as duas primeiras temporadas seriam sobre o que lemos em O Vampiro Lestat. A 1ª temporada teria aproximadamente 10 episódios e retrataria toda aquela situação do jovem, mortal e ambicioso Lestat até mais ou menos o ponto em que ele conhece Armand e o Teatro dos Vampiros. A 2ª temporada seria sobre a busca de Lestat por Marius e então teríamos mais uma dezena de personagens importantes aparecendo aqui e ali. Porém, como eu disse, nada ainda está certo. São apenas algumas direções sujeitas a alterações.

Então, menos drama, galera. Confiem em titia Rice que vai dar tudo certo.

Brincadeiras a parte, eu acho que muitos leitores das Crônicas ainda temem que a série seja uma continuação do fiasco que A Rainha dos Condenados foi.  Lembrem-se que Anne não estava por trás da produção e ela também não gostou muito do resultado. O que foi feito está feito, meus queridos e provavelmente tamanho erro não há de se repetir.


E esta foi a pequena, porém importante, atualização sobre as crônicas vampirescas e a série que está por vir.

Fiquem ligados aqui na coluna da Via Escarlate na Rede Vamp que a próxima atualização sobre assuntos Anne Riceanos  não deve demorar a acontecer.

Até a próxima!

Anne Rice | Novo livro em parceria com Christopher Rice é continuação de A Múmia

E quando eu pensava que alguns personagens de romances únicos de Anne Rice jamais entrariam em novas aventuras, o também escritor Christopher Rice anuncia em sua conta no facebook o lançamento de um novo livro que foi escrito junto com sua mãe e que traz de volta aos holofotes uma das suas mais esquecidas obras: A Múmia (ou Ramsés, o Maldito).
Eu confesso que não li este livro, mas ele é muito bem falado, sem dúvidas. Segue abaixo a sinopse:

“Arqueólogo descobre tumba esquecida onde repousa empoeirada múmia. A múmia volta à vida real e sai assombrando o mundo, presa de terrível maldição. Nas mãos de Anne Rice, o que poderia ser uma trama juvenil, torna-se ficção eletrizante. Os seres encantados de seu livro, não só desafiam qualquer lei da física e da biologia, como transtornam a vida dos inocentes ou perversos mortais que vão encontrando pelo caminho.

Ramsés II não morreu. Burlando a história, faz enterrar alguém em seu lugar, ingere um elixir da eternidade e sai vagando pelo mundo da Antiguidade, até encontrar, muitos séculos mais tarde, o grande amor de sua existência – Cleópatra, a rainha que seduziu Júlio Cesar, Marco Antonio e a imaginação dos homens que vieram depois deles. Despertado do sono a que se condenou pelo arqueólogo e armador Lawrence Strafford, ele acaba na Londres Eduardiana nos braços da bela Julie, filha de Strafford, amor que vem desafiar, em intensidade, o que ainda sente por Cleópatra. ”

No final do livro, Ramsés acredita que Cleópatra – a quem ressuscitou com o tal do elixir da vida eterna – é morta em uma explosão que deixa o mundo livre do seu ódio, da sua raiva, da sua sede de vingança.

Mas ela continua viva, curando suas feridas e jurando vingança contra Ramsés, como veremos no novo livro intitulado Ramses The Damned: the Passion of Cleopatra. Tanto Cleopatra quanto Ramsés II continuam tentando descobrir qual é o ingrediente secreto do elixir da vida que ambos beberam. Enquanto continuam sua busca, uma outra anciã entra na história, uma rainha como Cleópatra, mas muito, muito mais antiga e que detêm as receitas e segredos de inúmeras poções que vão muito além do Elixir da vida.

Na última terça-feira um pequeno excerto do novo livro foi liberado com exclusividade pelo site Entertainment Weekly . Neste excerto, podemos ver que uma traição ajudou a esta antiquíssima rainha torna-se aquilo que ela se tornou. Segue uma pequena amostra do que encontraremos no novo livro:

“ – Estamos sendo seguidos, minha rainha.

Ela já não era uma rainha há séculos, mas seus dois servos mais leais ainda se referiam a ela como tal. Os dois homens a acompanhavam agora que chegavam aos pés de Jericó, a grande cidade de pedra.

Eram os únicos membros de sua guarda real que se recusaram de uma insurreição contra ela. Agora, milhares de anos depois de libertá-la da tumba em que fora colocada pelo seu primeiro-ministro traidor, esses antigos guerreiros de um reino perdido continuam sendo constantemente seus companheiros e protetores. ”

Decididamente, devo concordar que ninguém faz imortais como Anne Rice.

Ramses The Damned: the Passion of Cleopatra chega às livrarias norte-americanas em 21 de novembro deste ano. Fica abaixo a capa oficial também divulgada pelo site Entertainment Weekly.

Van Helsing: Pancadaria, vampiros selvagens e traições

Olá, leitores!

Hoje eu preciso compartilhar com vocês as minhas impressões sobre a 1ª temporada da série Van Helsing que foi gentilmente disponibilizada pela Netflix aqui no Brasil há poucos meses atrás. E eu acho que era uma das série-maníacas mais empolgada com a nova história a cerca dos lendários Van Helsings, ainda que ultimamente os filmes com cenários pós-apocalípticos tenham se tornado meio que algo comum quando o assunto é morto-vivo, zumbi, vampiro, seres deste gênero.

Então vejamos. A história começa no ano de 2019, três anos após o início do que eles chamam de “O Levante” começar. “O Levante” ou “O Despertar” é como se os personagens se referem ao momento em que os vampiros começaram a sair dos seus esconderijos e a subjugar a civilização mortal. Tal momento aconteceu quando um vulcão explodiu em Wyoming e destruiu metade dos estados do Oeste dos EUA, deixando o céu completamente encoberto de cinzas, o que facilitou bastante a vida daqueles que não suportam a luz solar.

Atenção! Esse artigo contém SPOILERS a partir deste ponto! 

E então logo somos apresentados à jovem Vanessa (Kelly Overton) que há três anos está em coma profundo, ao fuzileiro Axel Miller (Jonathan Scarfe) que há três anos protege o Hospital de Seatlle Valley contra invasões de vampiros e à Doutora (Rukiya Bernard), que foi transformada em vampira, porém é mantida em cativeiro por Axel, por motivos que eu acredito serem puramente passionais, ainda que ele diga ter ordens de proteger tanto Vanessa quanto a Doutora. Ok. O que dá para entender é que durante esse tempo ele ficou praticamente sozinho com as duas mulheres, protegendo a instalação onde Vanessa está devido à ordem de seus superiores, mesmo que não tenha contato com eles desde o que ele chama de apocalipse vampírico.

Ele estava completamente sozinho com elas e tudo parecia ir muito bem até que um grupo de humanos bate à porta do hospital procurando refúgio. Axel em um primeiro momento se recusa a abrir as portas, dizendo que estaria comprometendo a sua missão, porém, o militar Ted (Tim Guinee) está junto com os refugiados do lado de fora e dá uma ordem direta para que ele abra as portas. Só então Axel reconhece Ted, que fazia parte da missão de levar o corpo de Vanessa para a base e que tinha estado fora nos últimos seis meses, quando saiu do hospital para tentar voltar à base. E é assim que somos apresentados a um grupo de seis mortais que conseguiram sobreviver ao Levante. Neste grupo, além de Ted, também estão o garoto Mohamad (Trezzo Mahoro), que fugiu de um campo onde humanos são levados para servirem aos vampiros como escravos e que está a procura de sua irmã Sheema (Naika Toussaint), Sam (Christopher Heyerdahl), deficiente auditivo muito afeiçoado ao Mohamad e John (David Cubbit), que logo de cara pega antipatia por Axel.

Só homens? Não! Há três mulheres no grupo como podem ver na foto abaixo. Deveriam ser quatro se a esposa de John não tivesse se perdido do grupo pouco antes de entrarem no hospital, mas abrir novamente a porta e comprometer mais uma vez a segurança da instalação não é uma opção para Axel que logo mostra quem manda naquele pedaço.

Os refugiados

Mas, veja bem, não é um hospital qualquer! Primeiro, porque é cheio de luzes ultravioletas por todos os corredores de acesso e também do lado de fora, o que impede que os vampiros cheguem perto sem virar churrasquinho. Segundo porque é cheio de armadilhas por todos os lados para caso as luzes falhem e aconteça uma invasão.

Porém o que eu gostaria de salientar é que é um grupo de pessoas que não se conheciam antes dos vampiros começarem a dominar tudo e que são obrigadas a ficarem juntas, confinadas naquele hospital, enquanto os vampiros estão lá fora. Ah, os vampiros! Existem duas categorias: os selvagens e os devoradores. Os selvagens são desprovidos de qualquer razão e não obedecem ninguém. Os devoradores são opostos aos selvagens. São vampiros racionais, digamos assim, mas não menos monstruosos.

Por sinal, se você espera ver belos vampiros na série, pode tirar o cavalinho da chuva. Não há nenhum vampiro sedutor ou que realmente tenha aquele magnetismo que esperamos encontrar nos vampiros sejam clássicos ou modernos. Pense numa versão de Anjos da Noite pobre e com vampiros selvagens no lugar de lobisomens (ao menos eles não brilham sob a luz UV). É isso o que verão logo de cara, com a primeira invasão de vampiros que estão atrás de Vanessa e que não pouparão a vida de qualquer ser humano que se oponha a eles.

Então entre tiros, pauladas e facadas, uma vampira consegue morder Karen, uma das integrantes do grupo de Ted. Antes mesmo que possa se transformar, ela é morta por outra integrante, assim como a vampira também encontra a morte final. Enquanto isso, Vanessa que ainda estava inconsciente, acorda de seu coma ao ser mordida por um vampiro que posteriormente é apelidado de Flesh (Vincent Gale), que volta a ser humano após beber o sangue de Vanessa e que lá pelo episódio 4 vai abrir o bico e contar tudo o que sabe sobre ela, o que explica o porquê dos líderes vampiros, Dmitri (Paul Johansson) e Julius (Aleks Paunovic), estarem à caça dela.

Flesh, Dmitri, Julius

Mas, voltando ao primeiro episódio, imagine a Vanessa acordando após três anos deitada em uma maca, já dando pontapés, voando em cima de outros dois vampiros, após ter dado umas bordoadas naquele que a mordeu. Acaba com a vida dos vampiros sem armas, só na pancada mesmo e quando se dá por si, desmaia. Acorda um tempo depois, ainda mais confusa do cachorro caído do caminhão de mudança, pergunta por sua filha e Axel que nada sabia sobre ela, apenas estava ali acatando ordens, diz com a delicadeza de um elefante que a garotinha Dylan (Hannah Cheramy) deve estar morta.

Daí para frente, resumidamente o que vemos é uma Vanessa que não conhece o seu potencial, que não sabe nada sobre seus antepassados, que mesmo após ver o que tinha acontecido com o mundo, ainda permanece confusa e à procura de sua filha, sem imaginar que talvez ela nunca possa a encontrar!

E assim a primeira temporada se desenrola por 13 episódios completamente confusos com personagens novos aparecendo a cada novo episódio e alguns desaparecendo de forma bem esquisita. Alguns desaparecem e reaparecem episódios depois só para serem mortos, como é o caso de Brendan (Terry Chen). Por outro lado, é interessante ver como as fraquezas dos seres humanos são exploradas até o último episódio.

A doutora que volta a ser humana após Vanessa a morder (porque ela tem esse poder), fica louca e tenta juntar-se aos vampiros novamente, traindo seu grupo de “amigos” e o próprio Axel, que cuidou dela por tanto tempo! Porém é rejeitada porque após ser mordida por Vanessa, se tornou imune ao vampirismo!

Vanessa aos poucos vai se tornando mais ciente do seu potencial destrutivo e entendendo que está sendo caçada. Toma as rédeas do que sobrou do grupo quando Axel é dado como morto e segue em busca de sua filha que deveria ter ido para Denver com o pai, após a sua também suposta morte há três anos atrás. Porém, Mohamad acredita que ela possa estar no acampamento onde sua irmã também está e para onde está indo a fim de resgatá-la. Vanessa confia no garoto e acaba se lascando mais uma vez, porque o que ele prepara é uma armadilha para entregar a Van Helsing – que até então não sabia nada sobre seus antepassados – aos devoradores que estão loucos para colocar as mãos sobre ela.

E o final da primeira temporada deixa diversas pontas soltas com o sumiço de alguns personagens importantes como Sam, que vira vampiro e passa a caçar Vanessa e Mohamad. E o Flesh, que ia tentar resgatar Vanessa? Qual é a do Taka (Ryan Robbins), o líder de um grupo de humanos que não tem medo de morrer e que pretende enfrentar o poderoso Dmitri, matar todos os vampiros e retomar o poder sem ajuda de Vanessa? E o Axel que consegue sair do bunker radioativo onde foi deixado para morrer após ser traído pela Doutora? Como é que aquele ser humano sobreviveu por tanto tempo sob altíssimos níveis de radiação? Será que ele é humano mesmo? O que infernos aconteceu com a Doutora? Eu perdi alguma coisa ou ela simplesmente desapareceu? E qual é a da Rebecca (Laura Mennell)?

Eu não sei e espero que os episódios da 2ª temporada tenham as respostas para tantas perguntas e dúvidas.

Se é uma série que vale a pena ser assistida? É uma série mediana e se você não prestar atenção, vai ficar mais perdido do que a Vanessa. Na verdade, mesmo prestando atenção, você pode chegar ao último episódio não entendendo é mais nada, assim como eu.

Mas quem sabe na próxima temporada as coisas melhorem, hm? Quem sabe a Kelly Overton consiga se tornar um ser humano mais expressivo e sua interpretação se sobressaia? Acho que vou dar uma segunda chance para Van Helsing me surpreender, mas até lá, muitas séries ainda vão rolar. Então, vejo vocês na próxima.


Gostou? Curtiu? Deixe um comentário aí embaixo.

Além da Ficção: Wendigo

Wendigo e Uktena não são nomes desconhecidos para aqueles que tiveram contato em algum momento com o jogo de RPG Lobisomen: O Apocalipse da editora estadunidense White Wolf. Mas, o que é curioso é que muitos jogadores, mestres e narradores não tinham o conhecimento de que Wendigo e Uktena não são apenas nomes de tribos fictícias de lobisomens (ou garous, como queiram chamar), mas também nomes de criaturas que fazem parte das mitologias de reais tribos indígenas norte-americanas.

wendingo-2-hannibalPor sinal, se você assistiu à primeira temporada da série Supernatural ou leu/assistiu Cemitério Maldito de Stephen King, também já deve ter ouvido falar nesses seres. E apesar de não ser citado (não que eu me recorde) na série Hannibal, o próprio Dr. Lecter aparece em alguns pesadelos e visões do Will Graham com características dos Wendigos. A criatura também aparece no filme Olhos Famintos 3, mas novamente o nome Wendigo não é citado. Na verdade, o Wendigo é um mito que vira e mexe é explorado pela industria do entretenimento ou até mesmo pela literatura, então você pode encontrá-lo em mais de uma dezena de séries, filmes, HQs e livros. Mas, como poderão ver abaixo, o mito original, o verdadeiro, difere, em partes, do que foi apresentado na ficção.

E então hoje, nesta bela noite de início de Dezembro, eu resolvi abrir os arquivos escarlates e primeiramente contar a vocês o que sei sobre os Wendigos.

starsandmoons01

Bom, os Wendigos fazem parte da mitologia Anishinaabe, que é como se autodenomina um grupo de tribos indígenas dos Estados Unidos e Canadá que são culturalmente relacionadas uma a outra como é caso dos índios Ojibwe (ou Chippewa), Cree, Odawa e dos povos algonquinos.

Ainda que alguns aspectos e características físicas dos wendigos mudem de uma tribo para a outra, sua natureza é essencialmente a mesma. Em todos os povos, os wendigos são seres sobrenaturais malévolos associados ao canibalismo, ao inverno, ao Norte, ao frio e à fome assim como à morte por falta de alimentação. Algumas culturas ainda associam o mito à ganância, à gula, aos excessos e também a alguns feitiços que desencadeariam esses tipos de comportamentos.

Wendigo-1Em parte destas histórias que têm sido transmitidas de geração em geração ao longo dos séculos, os wendigos tem a aparência de monstros enormes que se alimentam de carne humana e quanto mais se alimentam, maiores se tornam. Alguns dizem que são gigantes de gelo ou cobertos por gelo ou pelos. Para os índios Ojibwe, os wendigos são realmente altos, mas não tem nenhuma massa corporal e a pele cinzenta é repuxada por sobre os ossos aparentes. É dito também que ele tem grandes chifres como de um cervídeo. De qualquer forma, são criaturas insaciáveis que estão sempre à procura das suas vítimas para suas próximas refeições.

A maior parte das histórias contadas por índios de diferentes tribos adverte: seres humanos podem virar wendigos se consumidos pela ganância ou caso tenham praticado canibalismo por qualquer motivo que seja.

Em algumas culturas é dito que este ser humano permanece congelado dentro do coração do monstro em que se torna e precisa ser morto para que o wendigo seja derrotado. Existem algumas histórias de pessoas que foram resgatadas com vida de dentro do coração gigante do wendigo, mas na maioria das vezes há apenas uma forma da pessoa de se livrar da sua terrível sina e esta forma é através da morte, queimando o coração do wendigo ou o acertando com uma bala de prata. De acordo com os  povos Ojibwe, esmagar sua cabeça com uma pedra ou com um machado é a única forma de derrotar um wendigo.

Já no RPG, os wendigos são uma das 13 tribos de Lobisomen: O Apocalipse e é composta por selvagens guerreiros fiéis às suas origens indígenas. Inclusive, o nome da tribo vem do seu próprio totem, o Wendigo, que no RPG também é um espírito do inverno, que congela tudo por onde passa, mas não é relacionado com canibalismo ou com a ganância. Pelo contrário. Os lobisomens pertencentes a esta tribo tentam preservar a pureza de suas tradições e costumes, lutando contra aqueles que corroem suas terras e que tentam destruir os seus povos e suas culturas.

Bem diferente da criatura mitológica, não acham?

Ok. Mas e quanto aos Uktena que eu citei lá começo do post?

Eu prometo que antes da próxima lua cheia, eu falarei sobre eles aqui mesmo ou lá na nova-velha casa da Via Escarlate.

Até lá, mantenham-se sãos e salvos e fiquem de olho na Via Escarlate.