RECENT VAMPIRE VAMPYRE COMMUNITY HISTORY OF A CLEAREST AND HISTORICAL VISION

Fact: We can only teach or transmit something to those who are willing to learn and who knows how to respect what we are and accomplish – not what they expected or demanded. The following article comes to lighten the looks and clear some gaps and gaps purposely absent from those who do not have the discipline, time and interest to devote themselves to the history and identity of the Vampyre Community.

BASIC SAHJAZA HISTORY

Sahjaza was founded at June of 1976 at Washington State on USA, at 2018 are more than 40 years of history, already has been known as Z / N Society and Black Rose Coven. Since its foundation it is led by Goddess Rosemary and a small council of older members. About the meanings and fundaments of this dynasty I prefer to reserve the subject for future articles.

The history of Sahjaza and the fundamental role of our matriarch inspiring and influencing the first group of Sanguinarium, Sabretooth and Ordo Strigoi Vii is evident and very clear in the original writings (2004-2008) of the group. But it is worth noting that Sahjaza remained autonomous, independent and historically sovereign, and detached himself from the grouping of OSV, Sanguinarium and Sabretooth in 2005-2006 by disagreeing on their course and objectives.

The Goddess Rosemary´s dinasty already had more than 20 years of activity and hard work in witchcraft, witchcraft, vampyrism and also developing social actions and sheltering abandoned animals. In addition to a serious engagement in the art and avant-garde cultural movements of NY when joined to the recentrly founded Sanguinarium. 20 Long Years! When The Hunger and Interview with the Vampire had just been published as books for the first time in the 70s there was already the work of Goddess Rosemary, actually 42 years as regent, mother and muse from all!

Historically Sahjaza (Z / N, Black Coven) has a perennial identity that has been maturing and developing since 1976 and almost at the same time of other spiritualistic groupings or fashionistas that approached the archetype of the vampire. In my first book “Misterios Vampyricos: Arte do Vampyrismo Contemporâneo (Madras,2014) I discuss this subject in detail. But notice that Sahjaza prevailed, remained – as the Hermetic say: Success is your proof!

SANGUINARIUM, SABRETOOTH AND ORDO STRIGOI VII

Already Sanguinarium-Sabtetooth began in the late nineties as a store of fangs and supplements that organized LARPS of Vampire The Masquerade and gradually used as a second-hand influence all the media vampire fever of the films Dracula of Bram Stoker, Interview with Vampire, Underworld, Buffy and RPG to organize a community around you. Which is something very cool and respectable. With all the references and influences available they created something around them for everyone who shared affinity. I would never point my finger or say anything disrespectful about it.

When they realized that the Vampire is an immanent archetype and beyond the shallowness of pop culture and second-hand esoteric books, they sought an axis or someone who could offer them a base and a pillar to organize their spiritual path. So they found our Matriarch Goddess Rosemary and the Sahjaza and established a relationship to ground the spiritual side of what they hoped to build. The relationship did not work for Father Todd himself and his generally miserable conduct with most of his co-workers – including much of my articles and materials were officially used in their 2004-2008 books and by what I noticed many others were used without to credit my name and authorship until 2011. With the departure of the Sahjaza Dynasty (2005-2006) we watched a lost Todd without basis or foundation to erect his temple – just roleplaying not enough. First he appealed to generic content from Left Hand Path and Kaos Magick to cover up the obvious cracking with wax to disguise the situation. Around 2006-2007 Todd attempted to aggregate dissidents from the infamous Temple of Vampire using the name Project Fenix. Shortly before that he tried a partnership with occultist and popstar thelemite called Konstantinos and by 2011-2012 he even called to introduce himself as master of Voodoo and he invented that famous members of the Romanian nobility had been vampires and were their masters hidden. Apparently Todd ran all around but only stayed on the horizontal axis and was never able or able to face the Axis Mundi – as his own conduct and work show clearly.

But let’s talk historically New York has already Vamps events produced by other organizers since the late 80’s. I’m too lazy to go on the bookshelf and pick up names of events and organizers in the books I collect here or search the gigas that I keep in the my external HD. Tony Sokol’s own Theater of Vampires La Commedia del Sangre is an important inspiration and achievement in the history of the Vampyre Community. Imagine, if I am in Brazil, I know all this and I have this material in store … imagine you in the United States. Go search! Ask with you Elders! Dare to search by you own history…

ABOUT UNITY PROJECT AND OTHER INITIATIVES

So I think the most important thing in these times of organization and development of a project like UNITY is to remember that it is one more face of the Vampyric Comunity as well as many others that already existed like COVICA, BloodNations, Merticus, Sanguivore and etcs. It is bringing people together, promoting meetings, invigorating creativity, passing on information to a new generation and still gathering old and others out there. Of all the options available to me it seems the most reasonable is led by older people and with work and practical experience in the context that have already gone through a lot and watched and participated in most of this story that I told here. He is still in formative aspects and it is early to say anything. There are potential and good spirits there.

It stimulates the market of handicrafts, publications and jewelry and also the sector of events and dances. It is a channel for dancers and cultural producers of our sector to expand their networking and take their art and work even further. It helps to spread our role as free thinkers, aesthetes and some as artists or spiritualists. It eliminates any sense of cultural ghetto and shields us from prejudices or people who think that by detaching ourselves from the mass we must be targets of physical violence. It shows that we have occupations, families, we develop bonds and commercial links to take care of our homes and what is important on the daytime side. This is and always will be good for everyone.

There will always be people suspicious of those who perform similar actions. It is as if only a few could define who is who is not something, as if only people with the same mindsetting could enjoy and consume it. I find it immature to think that way. Criticism without foundation or realized by those who only made rumor and chat is nothing more than noise – it is like building castles of tarot cards any wind will fall; build sandcastle by the sea and swear it will remain when the waves arrive. The shallower waters of a creek are as noisy as the wheel of an empty wagon. There are a lot of people with their ego over there because now that Sabretooth, Sanguinarium and Ordo Strigoi Vii are gone (read dissipated and fragmented under dozen of groups), they have lost the validity of their title or possibility to take place in his own social context and hierarchy and need to socially re-negotiate all of this among their own, which will take time, space and a lot of headache. But if he had taken advantage of time and space he would not be in such a position to expose himself as a dramatic in public.

At the same time I am sure that those who take the time to build their work without drama and tangible achievements are firm, grounded and can or may not ally themselves with a new project according to their goals. But regardless of everything do not practice drama and do not live as sorry resentful pissing on the poles to mark a symbolic territory that they never had and I doubt they will conquer one day. About “firmeza” and and original meaning of tradition, i spoke here on this another article and think that you must read.

ABOUT ME

I am Lord A:. Prince of Sahjaza, Founder and Patriarch from Halo Antares since 2004 content public and official since that time but by convenience was deleted from the books after 2010. From Halo Amantkir (founded at 2012), Vampyre Court of Antares and Amantkir and Founder of Circulo Strigoi. Dear Son in Darkness from Goddess Rosemary and husband from Princess Xendra Sahjaza! Under Vampyre auspices We have already produced over 450 Meetings, Events, Festivals, Saraus, Rituals on our land dedicated to Vamps! I am the author of the best selling Brazilian book on the subject with more than 12,000 copies sold and published by one of the largest Brazilian publishers! I have maintained the portal and the pioneering and introductory community of VAMP in Brazil, South America and Portugal for 15 years! And there’s a lot more I’ll leave for the next night. So i speak: Hail Sahjaza! I tell all this History here!

Livros Sagrados, Cabala e Vamps

Lord A é Autor internacional e conferencista

Como vocês sabem muito do conteúdo associado a Cabala dos rabinos vem de uma experiência profunda de Deus e um conhecimento de cosmogonia e teologia bastante distinto. Neste sentido é indispensável dominar o idioma hebráico e a estrutura gramatical do texto. É preciso conhecer bem a Torá. O que também nos leva ao dominar o pentateuco e o antigo testamento da Bíblia católica. Não servindo como algo para apenas lhe deixar feliz. E situando o hebráico com um alfabeto senciente trato deste assunto no CODEX STRIGOI VOLUME 2 e também no VOLUME 3.

É interessante notarmos que as possíveis origens da cabala datam de 1500 AC e vem da compilação do livro dos mortos egípcio. O julgamento dos seus atos depois da morte preocupava bastante os moradores de Khem e uma passagem tranquila pelo além era uma de suas metas ainda em vida, inicialmente acessível apenas aos reis. Tais fórmulas eram nomeadas como “voltar a luz” e isso reunia os escritos sagrados de forma muito pragmática e pessoal pelos sacerdotes. Os judeus, os gregos e os africanos acabaram bebendo dessa mesma fonte. Cabala para os judeus, deuses para os gregos e orixás para os africanos. Kabbalah significa “receber”ou ainda “tradição” uma ciência que se renova, se atualiza através do resgate do passado, da criação no presente e do preparo da transmissão para os que vierem depois. Acredito que a obra Kabbalah Hermética do Marcelo Del Debbio, apresentada neste video seja fundamental para quem curte tudo isso – e tem sede de mais!

Da minha parte imaginei este artigo sob um ponto de vista estético e não exatamente teológico para ampliar a perspectiva e a visão destes assuntos. Meu interesse e foco neste campo se concentra mais na chamada Kabbalah Hermética que se desloca por uma trajetória diferenciada do extrato religioso. E graças aos deuses é um estudo para uma (ou mais) vida(s). Como um esteta não me prendo ao teológico ou ao campo religioso, isso me deixa livre para contemplar e reconhecer a imanência em diversas expressões ao longo da vastidão e dos tempos neste selvagem jardim. O video que postei acima marca algumas conclusões de um assunto maior e que compartilho neste artigo, onde busco uma espiritualidade (com doses razoáveis de espirituosidade) priorizando sempre o simbólico, o metafórico e alegórico do Antigo Testamento e não o literal ou o vulgar de nenhuma estância.

UM INIMIGO DE DEUS?

Focalizando o assunto na questão da cabala, uma boa parte da minha jornada foi constatar que nunca tive nenhum problema com Deus, Javé, Jove ou Jeová e qualquer nome dado a Ele; tampouco o problema foi com a totalidade dos seus representantes e representações, como talvez já possa ter transparecido ou sido entendido ao longo da minha obra. Fui bastante crítico aos excessos do Cristianismo em diversos sentidos enquanto movimento secular. No final das contas o problema sempre foi com representantes religiosos que pregavam os sentidos mais convenientes da ideologia e dogma, alimentando o rancor e ressentimento dos seguidores e lhe oferecendo indulgência se atuassem como extensão, bateria ou rebanho dos seus cartéis com foco nos objetivos políticos e seculares. Enxerguei isso no convívio com a fauna humana ao longo da minha vida nos ambientes profissionais e estudantís por onde passei e foi preciso um tempo para discernir, distinguir e colocar as coisas nos devidos lugares. Atravessar o abismo ou aprender a esquecer de si, largar mão do ego e abraçar o self, expressam um pouco desta jornada ao longo da adolescência e de parte da vida adulta. É preciso colocar as coisas em ordem e a Kabbalah Hermética me ajudou neste sentido.

Claro, ainda sou pagão e Vampyro. Naturalmente morro de vontade em postar algo mais conturbado como Xristo (de onde vem o termo Cristo) quer apenas dizer “Iniciado” nos símbolos e sabedorias de uma sociedade esotérica, repare naquele tau com uma pele de serpente pregada em sua madeira no monte de pedras; um messias ofídico por conhecer sobre vórtices… serpentes eram a forma da deídade nos tempos que se compilaram os escritos egípcios e de outros povos que já falamos aqui. Elohim quer dizer deuses e deusas. Isso levaria a falar algumas coisas sobre o apocalipse, mas já o fiz no ano anterior( Leia Aqui) Mas isso desviaria o foco do que vim refletir aqui hoje. 

SE EU ESCOLHESSE 4 LIVROS INDISPENSÁVEIS FICARIA ASSIM:

Já que o assunto é cabala o primeiro e mais interessante livro que escolho é a cosmogonia ou o de onde tudo veio que é o Genesis para dar um ponto de origem e de sentido a tudo. A sequência é composta por livros que irão ensinar como viviam e o que você deveria aprender daquilo que viveram seus ancestrais, você é o herdeiro do seu legado e eles são a fonte dos traumas e das marcas que vai carregar. Quanto a isso só lhe restará respeitar ou perdoar e deixar de praticar aquilo que acha inaceitável, boa parte da sua agressividade, territorialismo e belicosidade contra quem é ou pensa diferente de si irá minguar. Muito do seu rancor e ressentimento deixará de servir como matéria prima para terceiros.

Naturalmente o próximo livro e seu conteúdo falará sobre leis e costumes importantes os quais você estará sujeito por vir daquele grupo e aliança. Isso fala sobre o que é perene ou seja a tradição e é coisa séria que não se muda facilmente ou removendo a deídade e os sacerdotes do seu lugar trocando todo mundo pela matéria escolar ou universitária da história e fazendo do historiador (ou professor de história) o novo sacerdote para reescrever tudo a imagem e semelhança do seu próprio discurso. É o tal do “mundo melhor” pregado por bonzinhos, conscientões e pessoas que alegam inexistir o mal ou atrasos de todos os tipos em si (algo meio neurótico e bipolar que oscila entre uma pomba da paz e um chiuaua rabioso, falo deles neste artigo lá na minha página no FB) A metafísica política reinante no meio acadêmico e escolar brasileiro acredita neste disparate e ao invés de se estudar e se praticar a história se investe tempo em disseminar metafísica (dogma e ideologia) de sua vertente para quem ainda está em formação. Não acho que história e identidade sejam paisagem.

Outro livro importante é o que traz a história de Jó e trata sobre a provação, a ordalia e sua lida com o vazio, com o fato de que a humanidade é um produto fabricado em série e que logo não é o epicentro ou o ponto mais importante de nada. Ele destaca que o humano tem parte com o nada, com o vazio e o abismo.É o momento que o sofrimento é apresentado pelo seu valor real que é nenhum, nada ou coisa alguma. É transitório. É o livro que ensinará você a esquecer de si para ser feliz e ter parte com a unicidade ou ainda a totalidade, que é apresentada com esplendor e exuberância no livro seguinte: “O Cântico dos Cânticos”. Se você esquece o ego geralmente abraça o ser ainda que momentaneamente. Quando esquecemos de si vivemos os dias mais felizes de nossa vida, recorde na sua própria vivência. Depois desta jornada através de uma sabedoria definitivamente não-ascética você chega a “Terra Prometida”. Só quando você aprende sobre o nada, cruza o abismo aprendendo a esquecer de si que chega a unicidade ou totalidade. Para o oriental o “Nada É Tudo” ou ainda o Todo. Mas aí falaremos de TAO e de como o símbolo se divide nos 4 elementos filosóficos… Só que essa fica para outro dia. 

Se até mesmo Dante Aligheri na sua obra DIVINA COMÈDIA só encontrou a via para o purgatório e o céu, depois de ter se perdido na floresta escura da vida e descido as profundezas do seu inferno para achar seu eixo ou axis-mundi…que jaz em meio do turbulento, caótico, espinhento, quente como fornalha e agourento como tudo que é basal e inicial. imagina os devotos da metafísica política brasileira e todo seu mi-mi-mi e ausência completa de observarem a realidade e não apenas dados e estátisticas em suas teorias de gabinete com ar refrigerado.

Eu escrevo sobre mitologia comparativa e outros conhecimentos proíbidos e não convencionais, conheça meus livros em: http://redevampyrica.com/categoria-produto/ead/

A little talk about about Tradition & Vampyrism as cosmovision and spirituality

Goddess Rosemary, who started the modern Vampyric Cosmovision and Spirituality since 1976. also know as “Mother of All” and that the continuous and uninterrupted work at the head of his dynasty has already inspired and influenced many other groups and associations – though many of them have failed to understand its foundations and foundations.

When I observe my Vamps cousins and their organizations in the northern hemisphere and the dramatic public situations that unfold, I invariably perceive in most cases the absence of a vertical axis of transmission and continuity of their worldview and spirituality. If there were something established and firm in this sense much of what they accomplish would not happen. And this has nothing with religion. If you understand what premoderns called “Mundus Imaginalis” or have a basic notion of Platonism and how dreams and thoughts through well-planned and executed acts shape reality, you will know what I am talking about.

But to exist such an axis requires a sublime foundation and experience that connects objective and nonordinary reality – uniting heaven and earth in accéssis, intoxicating spirit and expelling the time. Without this we have only people utilizing and wearing symbols in the same way as sleeping people use the alphabet every day. for that which is created or born. It is the great error of materialism and immediacy that plagues our days: to try to explain everything from and exclusively on the same plane where it resides.

In this sense Goddess Rosemary was the most successful in starting his craft and art in 1976 in the interior of the state of Washingnton and the consequences of that pulsate and resonate still today almost 5 decades later even reaching Brazil in the last 15 years!

In most of the North American cases what we have is a horizontal axis of social customs, “faite la morale” and fiscal prepared to much drama to defend postures and obediences but not exactly going further and neither signing or transmitting something essential and perennial. Hedonism linked to nihilism with a spiritual quest hardly yields anything better than grass to hungry spirits. If even the Church of Satan himself and his heiress had not been able to keep up, what we say is that the three-year Sanguinarium-Sabretooth-OrdoStrigoiVii of Father Sebaastian (Aaron Hoykas), which lasted for less than 15 years, collapsed and split into several dissidents on account of lack of coherence of its leader and the absence and diluted diffusion of knowledge. I was already here in 1993 following through newspapers and magazines, mailings and later the internet all this. Do not get me wrong with these observations and notes, but reflect on what is missing and this is very clear to those who see from a distance.

People talk a lot about tradition but confuse it with habits, customs, routines, and even certain rules or labels. It is a common mistake of the present day everywhere. Tradition is a serious thing because it refers to the so-called Philosophy or Perennial Wisdom and the transmission of a spirituality that was modeled around the discoveries and perceptions of each tribe and people that passed through the earth and was transmitted in an orthodox way. If what I say bothers you, it goes after perrenial sophia authors and works of philosophy and then we talk more. I went and this was good for me as a person, for mine and for the Brazilian VAMP context that has been flourishing for 15 years through REDE VAMP and his members. Success is our proof. The Sahjaza dynasty and its matriarch and foundress also have this awareness. My brazilian Circulo Strigoi members know that. And you?

There are strange eyebrows, lush suits, hair from television commercials, dramas of those who have lost title or position, hierarchical friendzones, words of effect and sharp to hide attention deprivation, people inventing rules of which they even lived and swallowing by pure ego – masking this of defense, politics, protection, and something similar of something that has not yet opened its door and its access to the sublime. And if it has not rolled so far it is better to study, peek and search the reason. Ego only hides him from Being. History teaches that in these moments it is more productive to turn to those who for almost 50 years started, inspired and influenced the group that for 15 years tried to rewrite, reinvent and put their name as creators of everything but absent base, foundation and reading (and the dream) that brings the fluidity and serenity essential to prosperity. Now I think you must read our article about a clear vision of recent Vampyric History, here.

Text by Lord A:. | Prince Axikerzus Sahjaza
March 2018

VAMPIRE QUEEN: Tudo sobre o novo álbum do Inkubus Sukkubus

Quem já acompanha a REDE VAMP sabe do nosso carinho pela banda inglesa INKUBUS SUKKUBUS que inclusive já entrevistamos aqui e também já comemoramos os 25 anos de carreira deles como um dos principais nomes do Gothic Rock e também do Pagan Rock segundo alguns jornalistas. A banda lançou nesta semana seu novo álbum VAMPIRE QUEEN (a venda neste link) e nosso correspondente internacional FABIO HATTOCK, lá em Londres (assista seus videos aqui) foi um Inkubus Sukkubus – Vampire Queendos primeiros a ouvir e contou tudo para a gente neste artigo:

O mais novo trabalho da banda Inglesa da cidade de Gloucester, como esperado é poderoso e tem toda a pegada característica da banda. Poderia dizer que é conceitual partindo da primeira a última faixa.

Bathory

A faixa que abre o album é instrumental e tem um clima quase medieval, batida rítmica e crescente, lembra algum filme épico.

Let The Night Last Forever

Agora já esta toda a melodia que é própria da banda, enaltecendo a escuridão e com um refrão
contagiante, belo solo de guitarra.

Angelus Mortis

Traz um som mais pesado, com o refrão pagão e cantado em latin: “Angelus mortis”
Um prefácio de uma maldição a caminho sugere.

Nature Child

Com um clima mais ameno essa bela canção ressalta orgulhosamente sua condição natural
ligada ao poder sobrenatural, ótima base sonora.

Dancing The Night Away

Iniciando com violão e cantada levemente, traz um clima pagão e melancólico que me faz lembrar bruxas dançando calmamente em uma floresta.

Here Come The Dead

Com o aviso de sinos a música começa mais rápida e com refrães cantado por Tony MacKormack, clima poderoso e típico da banda.

Angel Of Lust

Talvez a mais atípica canção do album começando com pianos, mas logo entra o som típico das guitarras e baterias e o belo vocal de Candia Mackormack, ressalta que uma vampira é um anjo… de luxúria.

In The Darkness And The Rain

Som de chuvas iniciam a música, logo entra a pegada conhecida da banda, um pouco mais rápida com os famosos refrães de Candia, ressalta a condição e muitas vezes o caminho onde uma vampira deve trilhar: “Na escuridão e na chuva, na paixão e na dor”

Wolf Boy

Uma balada acústica, só com violões, cantada suavemente e com toques melancólicos, narra
a natureza de um jovem lobisomem, uma bela canção, mas que foge do contexto vampírico
que esta nivelado em todas as letras do album.

Vampire Queen

Com uma abertura épica e forte, e a entrada do som típico do Inkubus Sukkubus, com guitarras pesadas, baixos pulsantes e cantada suavemente. Exalta toda a força, a qualidade, a beleza de uma Rainha Vampira, ecos da famosa condessa Erzsébet Báthory pairam no ar… Fecha maravilhosamente esse grande album! Mais um classico para os fãs da banda, altamente recomendáve

 

DOCUMENTO VERDADE: VAMPS na Rede TV

Outubro mês das bruxas e de haloweens sempre atrai o olhar da midia para o nosso trabalho. Neste ano (2017) fomos convidados do programa DOCUMENTO VERDADE da Rede TV e obtivemos um espaço interessante de 10 minutos para falarmos do contexto VAMP, dos eventos,  modo de vida e especificidades que podem ser comentadas na televisão aberta. Ao nosso ver somos artistas e artesãos das mais diferentes expressões, focalizados e dedicados a oferecermos o melhor do que fazemos para os afins e do “Sangue” – que coexistem e compartilham do nosso circuito de eventos e publicações transmidiaticas. Fazemos aquilo que amamos ou apreciamos, que gostariamos de encontrar, frequentar e participar – nem mais e tampouco menos. Somos muitos e isso que oferecer vitalidade e continuídade ao longo destes 15 anos de REDE VAMP e dos quase 20 anos de nosso editor Lord A:. (aliás a história e a trajetória de obras dele está neste outro video.

Sempre vai faltar alguma coisa ou aquele viés ou algo que dissemos mas não entrou no corte final da edição no DOCUMENTO VERDADE, mas no geral o resultado ficou bacana e documentou um pouco destes 15 anos da REDE VAMP e do nosso evento FANGXTASY e isso vale a pena, não exatamente em 2017 mas em 2027 e para os tempos que virão.  Aliás se você acabou vindo parar aqui por conta disso, não deixe de assistir nossos outros videos na VAMPTV e escute os podcasts do VOX VAMPYRICA!

 

Existem sete níveis… Uau!

Nos anos 60, quando os Beatles visitaram os EUA, eles fizeram questão de conhecer seu ídolo Bob Dylan. E, num quarto de hotel, eles se reuniram pra tocar, filosofar e partilhar suas experiências. Além disso, foi com Dylan que eles conheceram, pela primeira vez, a maconha. Seria a primeira vez, seguida de milhares de outras, em que John, Paul, George e Ringo ficariam chapados.

Todo mundo ficou muito doido, e foi nesta noite que Paul McCartney descobriu “o sentido da vida”.

No meio da “viagem”, Paul pede a um roadie pra anotar num pedaço de papel sua descoberta. E aí ele ditou a sua “mensagem para o Universo”. “Guarde-a”, ele diz num sussurro, como se confiasse a alguém um tesouro.

Na manhã seguinte, o roadie dá a Paul a anotação, da qual ele provavelmente já nem lembrava mais. Ela continha uma única frase: “Existem sete níveis“. Uau.

Paul não estava longe da Verdade. Algum véu se rompeu em sua mente e ele pôde acessar (mas não compreender) um dos mistérios que rondam o número sete.

Sete é o número que mais aparece em citações de todas as obras místicas, na magia, no ocultismo em geral, na Bíblia e em todos os livros sagrados. Tudo o que enxergamos ou percebemos como um imenso degradê geralmente acaba subdividido em sete pra facilitar. Sete notas musicais, sete cores do arco-íris, sete dias da semana… Se alguém nos perguntar: “Diga um número de 1 a 10”, o sete será o número preferido. Assim, não é difícil imaginar que o sete apareça sempre que tentamos expandir nossa consciência para além do véu da Maya. Particularmente, acredito que o sete seja um subproduto do 1, da Unidade, assim com o 3. Um, digamos, firewall da Matrix contra curiosos e hackers, pra preservar seu núcleo/essência. Talvez esteja adentrando o terreno cabalístico ou hermético, portanto não vou me alongar no que não entendo de fato. Mas é interessante notar que uma das propriedades interessantes que tem o número sete é ser o resultado da divisão de qualquer inteiro não múltiplo de 7, por 7.

A mitologia Hindu define quatorze mundos (não confundir com planetas) divididos em um par de 7: Sete mundos superiores (céus) e sete inferiores (infernos). A terra é considerada o mais baixo dos sete mundos superiores. Todos esses mundos, a exceção da Terra, são usados como lugares temporários de permanência: se a pessoa morre na Terra, o deus de morte (oficialmente chamado ‘Yama Dharma Raajaa, ou Yama, o senhor de justiça) avalia as ações boas/más (assim como Anubis, deus egípcio) da pessoa em vida e decide se aquela alma vai para o céu e/ou inferno, por quanto tempo, e em que capacidade. A alma adquire um corpo apropriado para o mundo no qual ela vai habitar, e ao término do tempo da alma nesse mundo, volta à Terra (é renascido como uma forma de vida na Terra). Os hindus acreditam que só na Terra, na condição humana, a alma alcance a salvação suprema, livre do ciclo de nascimento e morte, para além dos quatorze mundos.

Fico pensando que talvez resida aí a importância e curiosidade que os alienígenas têm por nós. Será que nós, em nossa condição humana, somos “especiais” por estarmos participando de um grande “provão cósmico”? Será que eles vêm nos monitorar exatamente porque HÁ ESPÍRITOS DE SEUS ANTEPASSADOS entre nós?

Na Teosofia, os Sete princípios do Homem são os veículos que ele possui para manifestar-se nos diversos planos. Em seu conjunto formam a constituição setenária do Homem. Juntando essa teoria da Teosofia, junto com a dos mundos da mitologia hindu (que não são planetas, e sim planos de existência) e com os universos paralelos dos físicos teóricos, e teremos um modelo onde as individualidades como a conhecemos simplesmente não existem. Cada pessoa na terra seria um aspecto de um ser multi-dimensional (multi-universal seria mais correto), cuja consciência vai estar fragmentada entre esses mundos todos (sete? quatorze? não importa). Você já se sonhou levando uma vida extremamente normal em outro mundo? Eu já. Nunca achei uma explicação boa pro fato de eu não estranhar a outra realidade (afinal, se eu, acostumado aqui com a terra, me projetasse pra outro plano/planeta eu ficaria embasbacado o tempo todo, e no entanto eu tomava um trem futurista (com cara de ter sido bastante usado) e acompanhava entediado a paisagem de uma cidade que (ainda) não existe.

Especulo que haja uma comunicação constante (e velada) entre nossos “eus” espalhados por aí, que podem não ser 7, nem 14, e sim infinitos “eus”, que podem abranger a totalidade de toda a vida no universo (e nos outros universos). Como um jogo de espelhos, onde não conseguimos divisar a fonte emissora, apenas o resultado fragmentário. Ou de forma inversa, como a internet P2P, onde os dados provém das mais diversas pessoas, de forma fragmentária, e são reunidos no destino final de quem solicitou a informação completa. Não somos pessoas. Creio que não somos pessoas, e sim “veículos de idéias”. Idéias que se materializaram e acham que são indivíduos.
É a “queda dos anjos”. É o pecado original.

Texto do Acid, do Blog Saindo da Matrix!  Mas que eu acabei lendo no Teoria da Conspiração 😀

 

O QUE VOCÊ NÃO SABE SOBRE A COSMOVISÃO VAMPYRICA (VIDEO)

Afinal não é algo que você desliga ou deixa de ser, como toda arte invisível e ofício sem nome.

Sobre Cosmovisão Vampyrica ela não reconhece ou sequer enxerga o mundo das ideologias, dogmas e pautas morais das massas. Ela funciona sobre aqueles que atrai e principalmente nos que precisam negar o que esta realiza.

Se não existe porque precisa ser negada, nomeada e explicada que inexiste?

Ela é movida por paixões, o que a torna perigosa. Não é democrática nem para todos, tais fetiches públicos não ressoam com sua feitiçaria. Não é a praça de alimentação de um shopping multicultural.

Não é a área de recreação ou parque temático humanista dos civilizados. Diante disso qualquer demanda de representatividade é apenas puro narcisismo. Sua feitiçaria age quando se briga por algo que importe e custe uma ou mais vidas.

Chamar a constituição, a realidade, os clichês furados dogmáticos ou ideológicos, a ciência ou a razão das coisas exatamente como são apenas encobre tal feitiçaria, deixando operar ainda mais livremente fazendo o que é preciso não o esperado e tampouco o que se reza para não acontecer ou aparecer.. É o sono que vem com o sonho, dependendo de como você encara o sonho pode ser uma sentença de vida – a cumprir exatamente o que é preciso.”

O trecho é do próximo #CODEXSTRIGOI o esperado Volume 3 que sai no começo de Dezembro e a imagem da Sweet Nightmare Art – Fotografia! Aliás garanta já o seu exemplar:

Vampiros e Extraterrestres, eles estão por aí

Outro dia durante uma entrevista para a televisão no programa da minha amiga Lucimara Parisi, ela me perguntou sobre uma possível relação entre extraterrestres e vampiros. Achei a pergunta no mínimo mínimo desafiante, pois é um assunto que nunca dei muita atenção ao longo destas duas décadas dedicadas ao contexto VAMP, tanto no fashionismo quanto na espiritualidade. Me vi refletindo sobre isso no dia seguinte e este artigo desenha e delineia um pouco do que penso sobre tal relação “Extraterrestres e Vampiros” no plano simbólico, na cultura pop e toca em algumas fontes associadas a espiritualidade e o ocultismo dispersas na internet brasileira.

VAMOS AO BÁSICO

Veja bem, acredito em vida fora da Terra e em objetos voadores não identificados, mas tenho dificuldades sérias para com a tal da Ufologia e teorias do tipo “Eram Deuses Astronautas”. Neste ponto falo por mim e respeito quem dedica sua vida a buscar contato com tais seres e acredita em tudo isso. Se isso os ajuda de alguma maneira a serem felizes e pessoas melhores é algo muito bom, prefiro pessoas que vivam algo fantástico do que aquelas que partem para o fanatismo ou o radicalismo político ou religioso que contaminam o Brasil. Carl Sagan já postulava que seria um desperdício a vida só existir aqui na Terra e cada vez mais até a própria ciência dá mais e mais crédito a este contexto. Quanto a vida inteligente tenho dúvidas sobre a proliferação em abundância por todo o cosmo ao tomar a maior parte dos terráqueos como exemplo.

Por outro lado, não concebo civilizações extraterrestres que vem de outros mundos até a Europa desenharem “mandalas” complexas nas plantações de trigo e de milho – e quando descem no sul do Brasil produzem “mandalas” com formas tão toscas por lá. Também não entendo porque extraterrestres são acusados de raptarem vacas e humanos para experiências bem estranhas e que em geral remetem a relatos semelhantes aos de abusadores sexuais que não mostram a cara para suas vítimas. Para mim coisas assim são humanos apelando para uma mitologia mais moderna, no caso dos extraterrestres, para obterem sentido ou forças para lidarem com o desconhecido e o descaso do ecossistema e das coisas da vida.

Outro ponto que sempre me vem a mente sobre extraterrestres que viajam pelo espaço vindos de tão longe é quanto a natureza destas viagens. Todas as grandes jornadas e explorações humanas foram desenvolvidas em nome do comércio e obtenção de riquezas. Se projeto isso na possibilidade de habitantes de outros mundos descerem a Terra – duvido que venham até aqui só para promulgarem a vida universal ou trazerem esperança. É natural que haja algum tipo de compensação para fazer a viagem valer a pena. Apesar dos pesares acho as ideias presentes no filme “Destino de Júpiter” perigosamente atraente neste quesito (falo sobre ele, bem aqui).

Mas note não é porque não acredito nessas coisas que vou negar a existência de tudo isso. Penso que seria hipócrita e desleal da minha parte dizer que acredito nisso tudo também.

ONDE COMEÇAMOS? QUAL A MELHOR POSSIBILIDADE PARA EXTRATERRESTRES E VAMPIROS?

A única possibilidade que antevejo nestes casos é que ambos (Vampiros e Extraterrestres – e outros seres fantásticos) representam símbolos de acesso ao limiar ou ainda do que chamamos de o “Outro Lado”. Particularmente artistas e pessoas sensíveis são as antenas da espécie humana e os mais aptos para sintonizarem estas delicadas frequências e transmutarem em resultados a natureza destes encontros incomuns. Lembrem que ao longo da minha obra pensar pré moderno e romantismo são temas bem sérios e que passam longe do senso comum, o imaginário expresso nos sonhos ou em nossos pensamentos é uma força poderosa sobre a realidade que compartilhamos.

Nestes casos enquanto símbolos (Extraterrestres, vampiros e outros seres fantásticos) nos conectam e nos permitem falar (ou atuar) sobre alteridade, o outro e oferecermos vislumbres de paradigmas e perspectivas dos cantos mais distantes de nosso imaginário. O que é algo muito bom, na Kabbalah Hermética há até uma Sefiróte chamada Hochmah (falamos dela no Codex Strigoi, Volume 3) para representar este limiar distante. Ali temos os mundos de ficção, o céu, a ilha dos eleitos, a montanha sagrada, o paraíso, utopias e distopias que concebemos em momentos criativos, o tal do como gostaríamos de ser quando crescermos e aquele pequeno recanto de entulho de tudo que é nosso mas insistimos que sempre está nos outros. Acredito que até aqui conseguimos manter um ponto no mínimo razoável e acessível para todos na melhor das hipóteses.

Enquanto Vamp e alguém que trilha esta via há 2 décadas estas são as minhas melhores apostas sobre a idílica associação entre o vampiro, a bruxa, as fadas e os extraterrestres. Símbolos do limiar ou ainda do “Outro Lado” que traduzem nossas aspirações e soluções para os dilemas mais remotos e distantes. Acho muito simplório e pouco sofisticado colocarmos a construção de pirâmides e obras ciclópicas da antiguidade na conta de extraterrestes e seus veículos fantásticos. Acredito que dentre seus parcos recursos nossos ancestrais humanos tinham sim condições práticas e recursos ainda que rudimentares para tais elaborações. Também havia muito tempo disponível e os registros da passagem do tempo ainda hoje são duvidosos. E tudo que eles desenvolveram acaba sendo a base e o alicerce do que temos hoje. Então é algo importante e indispensável em todos os sentidos, independentemente de como foi alcançado.

Agora se você me perguntar sobre influências e inspirações vindas de inteligências não-humanas para tais obras se passando por deidades clássicas humanas, aí eu acho muito mais interessante. Até mesmo ocultistas de renome como Aleister Crowley e Kenneth Grant tiveram experiências neste sentido, muito bem descritas nas obras Renascer da Magia e O Deus Oculto, disponíveis em nossa loja eletrônica. Basicamente toda a história da magia e da espiritualidade humana toca neste contexto – na forma de anjos, deuses e muitos outros aliados e inimigos. Mas dizer que são todos extraterrestres em naves reluzentes que foram interpretados dessa maneira pelos humanos mais primitivos é jogo duro. Quando ainda se apela para confederações interplanetárias e coisas assim como Ashtar Sheridan, novamente penso que isto é delegar o assunto para uma grande simplificação ou generalização. Eu prefiro ficar com minha ideia inicial deste artigo – símbolos que nos oferecem um acesso aos nossos aspectos pessoais mais transcendentes. Acho mais belo, bom e justo ficar por aqui. Se quiser se aventurar adiante disso não sou eu quem vou lhe deter ou censurar, mas o faça com seus próprios recursos.

NA CULTURA POP

O campo mais profícuo para vampiros e alienígenas como equivalentes acaba sendo a ficção e a cultura pop. Filmes como “Invasores de Corpos” (originalmente traduzido como Vampiros de Almas nos anos oitenta) ou ainda “Força Sinistra” (que utiliza os corpos de luz dos antagonistas como referências clássicas ao xamanismo afro caribenho, decorremos sobre isso aqui também) são verdadeiros clássicos do contexto. Já ví gente que compara os destroieres espaciais de Star Wars a caixões e os caça Tie Fighters a pequenos morcegos devido a participação dos atores Peter Cushing e Cristopher Lee. Há vampiros alienígenas até no seriado Buck Rogers no século 25, outra pérola oitentista. Nos quadrinhos da Marvel até o próprio Drácula já foi para o espaço duelar com o Surfista Prateado. Acho extremamente válidas e divertidas estas jornadas ficcionais que estabelecem encontros tão improváveis.

Na ficção temos a história “The Flowering of the Strange Orchid” do célebre H.G. Wells onde um alienígena se apossa de um ser humano para viver de sua energia vital. Outro exemplo é o alien do conto “Asylum” publicado na década de 40 por A.E. Vogt. Outras obras expressivas foram “Vampiros do Espaço” de Colin Wilson, “Eu Sou a Lenda” de Richard Matheson. Filmes como “The Blood Stone” de Tanith Lee, “Dracula Unbound” de Brian Aldiss e “McLennon´s Syndrome de Robert Frezza traduzem encontros imaginários entre vampiros e aliens na cultura pop. A obra mais recente acabou sendo “The Freaks of Nature” um grande pastiche sanguinolento de vampiros, zumbís e humanos contra uma invasão extraterrestre.

ENQUANTO ISSO NA VIDA COMO ELA É

Na vida como ela é tivemos o famoso caso do “Chupacabras” na América do Sul que foi comparado a um extraterrestre vampiresco e tocou o terror na população de Varginha em Minas Gerais. Rapidamente o apetite sanguinário atribuído ao tal ser o associou a um vampiro, para a turma do vampiro tem que existir de forma denotativa e exatamente ao pé da letra foi um prato cheio para afirmarem que era idêntico aos casos dos farsescos vampirólogos católicos de outros séculos. Teve até ocultista brasileiro que aproveitou a deixa para incluir isso em livro e vender mais exemplares de sua obra. Sem críticas a isso. Na internet a versão moderna da cultura de almanaque tivemos casos similares. A reação da turma do não existe nada disso e é tudo loucura de gente mal informada foi igualmente dantesca e o caso ficou para os ressentidos de sempre culparem as pessoas por sua descrença.

Há ainda uma raça alienígena que segundo os ufólogos foram os causadores das histerias vampirescas do século XVII na Áustria e seus arredores seu nome é Hav-Hannuae-Kondras e os tais foram os inspiradores das lendas de vampiros nos Balcãs. Há pouco tempo apareceu na internet um livro russo (tudo vem sempre de lá) que em suas páginas nos fala de uma raça alienígena consumidora de sangue e que teria sido a origem do folclore vampiresco com foco na Romênia por volta do ano 941 D.C e que sua última aparição se deu na Escócia em meados de 2006. Os tais vem dos Sextans, uma galáxia anã que só foi descoberta nos anos 90 por Mike Irwin, M.T. Bridgeland, P.S. Bunclark e R.G. McMahon sendo a oitava galáxia satélite da Via Láctea, e é chamada assim dignamente, pois está localizada na constelação de Sextans. Note que o tal livro secreto russo que apareceu há uns 2 ou 3 anos na internet alegadamente tem mais de cinquenta anos (farejo um tom farsesco no ar? Os russos já sabiam até de Galáxias que nem tinham sido descobertas ou nomeadas quando o tal foi publicado?)

Segundo o tal livro russo visitaram a Terra pela primeira vez no ano de 934 aC na região que agora pertence à Roménia. Muitas vezes eles raptam e matam seres humanos, para beberem o sangue humano e animal. Eles são responsáveis pelo mito dos vampiros segundo o livro dos russos e vários governos estão conscientes de suas ações, e alguns apoiá-los. Outra peculiaridade deles é não devolverem os corpos das vítimas. Fico imaginando suas asas murciélagas e o terror que teriam causado naqueles tempos. Tudo isso me parece bastante desafiante em diversos sentidos, bons exemplos de criatividade humana contemporânea projetadas no passado. Para não dizermos um agradável exercício de terrorismo poético para fazer as pessoas saírem da sua zona de conforto e por instantes crerem em um realismo mágico.

No campo da espiritualidade e do ocultismo dos anos 70 tivemos o charlatanesco Jean Paul Bourre (se mapearmos todo sensacionalismo e as grotescas falhas históricas de suas obras sobre o gênero vampiresco teríamos um artigo bem extenso a parte, não admira a Vampirologia ser uma piada de mau gosto por aqui, assista o video). Redator chefe da revista francesa “L´Autre Monde” publicou em 3 dos seus livros (no Brasil só foram traduzidos “O Culto do Vampiro” e também “O Vampiro”) seu encontro com uma seita vampiresca vindo do espaço (considerando casos como o de Jim Jones e outros fanáticos daquele tempo, não surpreende o lugar comum dos relatos de Jean). Sus cultistas os chamam de “Megamicres” tais aliens se parecem com a gente mas são carecas, hipnóticos e sedutores, os dentões para morder a vítima só aparece quando abrem a boca e emitem um silvo pavoroso, capaz de fazer seu alvo sangrar copiosamente. A esposa de um dos cultistas foi vítima e assim sangrou pela boca, orelhas e nariz em uma tigela para alimentar o faminto alienígena. Em seguida este retribuía oferecendo um leitinho energético e alucinógeno que vinha do seu mamilo as vítimas. Além disso as obras ainda falam de uma Ordem dedicada a combater tais seres e o uso da pedra de Helíotropo como aparente forma de medicina preventiva a tudo isso. Deixando de lado todo o tom excessivamente falacioso, sensacionalista o único grau de acerto do autor é que o segredo da imortalidade e dos vampiros é o combate a fadiga, o esgotamento e o coma que representa a morte. Mas até aí as fontes para tal conclusão já nos anos setenta estavam em domínio público e facilmente acessíveis.

Para uma visão mais geral dos anos setenta e o vampirismo eu sugiro uma olhadela na seção correspondente do meu livro MISTÉRIOS VAMPYRICOS A ARTE DO VAMPYRISMO CONTEMPORÂNEO (Madras Editora, 2014) disponível para venda em nossa loja.

Na minha vida espiritual já tive pelo menos duas situações na década anterior bastante delicadas que ufólogos iriam adorar situar ou contextualizar como algum tipo de contato com inteligências não-humanas ou ainda extraterrestres. Mas dentro do meu escopo e do que ficou das tais situações elas eram similares ao que encontrei em exercícios de invocação e diálogos com planos sublimes. Talvez se eu fosse um ufólogo eu interpretaria o quadro através do paradigma deles, mas a minha formação no ocultismo e no paganismo me oferece outra perspectiva e paradigma. Também me permitiu sair impune nos dois casos pois era detentor das investiduras necessárias para lidar com habilidade diante daqueles quadros. Como não perdi a consciência ou tive sequelas mentais ou alguma patologia de ambos os encontros, fico mais tranquilo e confiante no que desenvolvo. Mas falar disso é um tema mais reservado para certas palestras e audiências mais seletas e restritas.

VOX VAMPYRICA#308 SOB OS ARCOS GÓTICOS

Vox Vampyrica #308 “Arcos Góticos: A História que não querem que você saiba!” apresentação Lord A:. & Xendra Sahjaza com DJset de Flavio Fernandes, Dj residente do extinto Armagedon só na www.antenazero.com edições inéditas toda segunda-feira a meia noite!

Há mais de uma década no ar e com 300 edições já realizadas a Vox Vampyrica é o seu programa de webradio dedicado ao contexto Vamp, Darkwave, DarkElectro, PostPunk e vertentes no Brasil, América do Sul e Portugal. Iniciado como um podcast caseiro em 2006 por Lord A : . acabou se tornando um programa semanal em 2010.Desde 2014 Srta Xendra Sahjaza se tornou apresentadora do programa e em 2016 acolhemos em nossa equipe o jornalista Sérgio Pacca e nossa amiga Leylane Frauches como criadores dos textos de abertura e o DJ residente Flávio Chiclé responsável por diversos djsets desde então!

VOX VAMPYRICA #307 Arcos Góticos A história que não querem que você saiba (Parte1)

Vox Vampyrica #307 “Arcos Góticos: A História que não querem que você saiba!” apresentação Lord A:. & Xendra Sahjaza com DJset de Flavio Fernandes, Dj residente do extinto Armagedon só na www.antenazero.com edições inéditas toda segunda-feira a meia noite!

Há mais de uma década no ar e com 300 edições já realizadas a Vox Vampyrica é o seu programa de webradio dedicado ao contexto Vamp, Darkwave, DarkElectro, PostPunk e vertentes no Brasil, América do Sul e Portugal. Iniciado como um podcast caseiro em 2006 por Lord A : . acabou se tornando um programa semanal em 2010.Desde 2014 Srta Xendra Sahjaza se tornou apresentadora do programa e em 2016 acolhemos em nossa equipe o jornalista Sérgio Pacca e nossa amiga Leylane Frauches como criadores dos textos de abertura e o DJ residente Flávio Chiclé responsável por diversos djsets desde então!